Head up High

Members
  • Content Count

    23
  • Joined

  • Last visited

Community Reputation

7 Neutral

About Head up High

  • Birthday 11/13/1988

Other Info

  • Your real name
    Jessica de Castro

Contact Methods

  • Website URL
    http://www.headuphigh.com.br

Profile Information

  • Gender:
    Female
  • Location:
    Brasil

Recent Profile Visitors

917 profile views
  1. Head up High

    Northward

    O projeto de hard rock, apresentando Floor Jansen, vocalista do Nightwish, e o guitarrista do Pagans Mind, Jørn Viggo Lofstad, Northward ,com sua estréia intitulado de "Northward", será lançado no dia 19 de outubro, pela Nuclear Blast Records. Trailer #1 "Jorn: Olá, aqui é o Jorn Viggo Lofstad Floor: E aqui é a Floor Jansen Jorn: Sentados aqui nós falaremos do nosso projeto Floor: Sim! Nós formamos um projeto chamado Northward e nós queremos te contar um pouquinho sobre como as coisas aconteceram, a fundação de tudo isso. Jorn: Sim! Nós nos conhecemos em 2007 num festival chamado The Prog Power Festival. E eu estava numa banda chamada All Star Jam e nós tocamos 4 músicas juntos. E eu me lembro muito bem de ter gostado da sua voz e nós nos divertimos muito no palco e nós decidimos manter contato para ver se teria algo para trabalharmos juntos. Floor: Sim, e foi perfeito, porque na época eu comecei a pensar "eu adoraria escrever um álbum de rock", eu queria do "conforto" de estar numa banda como o After Forever e ter novas inspiracoes de diferentes generos musicais, e te ouvir tocar eu imediatamente pensei "hm, ele é bem habilidoso, um ótimo guitarrista", e bem, funcionou, pelo que parece! Jorn: Sim, e eu me lembro que mantivémos contato e nós decidimos nos encontrar na Holanda para tocar um pouco, para ver se havia alguma quimica nas nossas composicoes, e foi boom, logo de cara, nós trabalhamos muito bem. Eu me lembro de nós tocando, amando as ideias que nós estavamos tendo pela primeira vez... Floor: Sim, e voce nunca sabe se algo vai funcionar ou não, um album todo e não só uma música, então nós continuamos a escrever ao longo de 2008, nos encontrando regularmente, na maioria das vezes no seu apartamento na Noruega e foi muito legal, escutar as influencias musicais um do outro, voce sabia muito mais sobre Rock do que eu na época..."
  2. Tradução: Head up High, my dear! Em junho, Floor Jansen compareceu ao programa de TV holandês, o "M". É um segredo bem guardado que nem Anouk, Ilse de Lange ou Caro Emerald são os cantores holandeses mais bem-sucedidos internacionalmente. Não, é Floor Jansen que merece esse título. Ela recentemente ganhou o Buma Rocks Export Award 2018. Ela faz turnês por todo o mundo como a vocalista da banda de metal finlandesa Nightwish. Mas nos Países Baixos nós devemos admitir, com vergonha, que nós não a conhecemos bem. Dit is 'M! Eu li uma entrevista sua no jornal semana passada, e o que me passou na cabeça foi “Isso é enorme!”, e nós pudemos ver quão grande é agora, (o sucesso de Floor Jansen com o Nightwish), mas nós sabemos tão pouco sobre esse sucesso, e você parecia estar meio impaciente na entrevista, você pensou “Quer saber? A culpa é de vocês não saberem, porque é realmente enorme”. Como você explica isso, ser tão pouco comentado aqui enquanto você é extremamente bem-sucedida internacionalmente? Floor Jansen: Bem, Os Países Baixos é um país pequeno no final das contas, mas ainda sim tem uma ótima indústria musical, há muitos bons artistas aqui e também há muitos artistas holandeses internacionais. Entretanto, há uma enorme diferença na quantidade de atenção e reconhecimento que cada gênero musical recebe da mídia. Esse é o porque uma banda como Nightwish é conhecida no underground por muitos holandeses, porquê nós nos apresentamos aqui também. Dit is 'M! Mas não é muito exposta na TV ou no Rádio. Porquê? É simplesmente uma questão do “nosso” gosto? Acontece de nós simplesmente tocarmos outro tipo de música? Floor Jansen: Eu espero que esse seja o motivo, porquê ao menos a música que tem a possibilidade de ser tocada. No final das contas, eu estou sentada aqui como uma embaixadora da música, não porquê eu acredito que a minha banda precise ser tocada nas rádios, de jeito nenhum, apenas ouça a banda para conhecer e aí você decide se gosta ou não. Mas se você nunca tiver a oportunidade de escutá-la... e também porquê é chamada de “Metal”. Dit is 'M! e as pessoas pensam “Ah não, metal”. Floor Jansen: Sim, “metal não é aquela coisa com guitarras pesadas e uns homens cabeludos berrando?” Há muito preconceito. Dit is 'M! “Ou uma mulher cabeluda berrando” Floor Jansen: Sim, esses são os piores, isso eu posso te dizer. Dit is 'M! Há muitas mulheres sendo a vocalista de bandas desse tipo. Floor Jansen: Sim, olhe para o Within Temptation. Dit is 'M! Que, como você, são bem-sucedidas nas suas carreiras dentro do metal. Quando você pensou “Metal, ah essa é a minha praia”? Floor Jansen: Quando eu era uma adolescente, eu estou dentro desse meio há mais de 20 anos! Dit is 'M! E você era a única da sua classe que gostava desse tipo de música? Talvez essa seja uma parte do problema? Floor Jansen: Sim, eu era da Rock Academy e era bem específica em alguns gêneros, mas eu era uma das poucas metaleiras. Mas metal é um tipo.... É um enorme gênero musical e há muitos subgêneros, então há muitas bandas que nunca estarão nas rádios, o que é legal, porquê o metal quer continuar nesse “nincho/panelinha/clube do bolinha”, Mas há muitas bandas como o Within Temptation e o Nightwish, que faz músicas que eu acredito que muitas pessoas iriam gostar se eles tivessem contato com elas. Então é isso. Dit is 'M! Então, essa é uma banda finlandesa. Como que eles acabaram com você? Floor Jansen: Em 2003 eu fiz uma turnê européia com eles com a minha banda holandesa, After Forever, na qual eu fiz parte por 12 anos. Nós nos conhecemos nesse período, e há alguns anos atrás algumas coisas deram errado com a antiga vocalista deles, e foi quando eles me ligaram me perguntando se eu poderia me encontrar com eles, imediatamente. Dit is 'M! E você conhecia a banda, e quão grande eles eram, e era algo importante, então você imediatamente disse sim. Você conhecia o repertório deles? Porque é algo parecido com os Rolling Stones falando “O Mick não está se sentindo muito bem, você quer cantar as partes dele?” Você conhecia as canções deles? Floor Jansen: Sim, exceto pelo álbum mais recente na época. Dit is 'M! Ah, então estava tudo bem! Floor Jansen: Não, eu nunca tinha ouvido o álbum mais recente, e eu tive que aprender muitas músicas novas, mas tudo deu certo no final. Onde há um desejo... Dit is 'M! E agora você ganhou a Buma Rocks Export Awards, isso seria um sinal de reconhecimento, depois de tudo? Floor Jansen: Sim, é incrível. Especialmente da forma com que eles me deram o prêmio, havia um grande foco em trazer música ao vivo, nos Países Baixos e além. Nós temos muitas bandas holandesas a oferecer, inclusive no metal. É engraçado dizer que todo o mundo conhece nosso país por nossa cultura no Metal, enquanto dentro dos Países Baixos é tipo “Ah, sério? Isso é popular? E quem é Floor Jansen?” Então eu pensei que foi um ótimo sinal de reconhecimento e uma grande honra, e foi lindo como eles me deram o prêmio... Haviam muitas pessoas presentes que realmente me conheciam e estavam muito orgulhosas de mim. Há muitas pessoas que vêm me acompanhando e me apoiando há muitos anos, e isso é como se fosse um abraço quente. Dit is 'M! E você merece! Obrigada. Floor Jansen: Obrigada. Dit is 'M! Nightwish irá tocar no Ziggo Dome em Amsterdam no dia 26 de Novembro e há poucos ingressos sobrando, vá assisti-los!
  3. Tradução: Head up High, my dear! - Hayley Leggs: Olá, eu sou a Hayley Leggs e eu estou aqui com Floor, do Nightwish, a única mulher que eu conheci que é tão alta quanto eu. Nós podemos conversar na mesma altura, eu não preciso foder com a minha coluna. Floor Jansen: Você pode pegar minha calça jeans... [risos] Hayley Leggs: Mulheres, mulheres, nós gostamos de falar sobre roupas. Floor Jansen: E sapatos! Hayley Leggs: De qualquer forma, você já ouviu alguma música para o novo álbum? Floor Jansen: Não, não, quero dizer, nós estamos no meio dessa turnê mundial, nossa atenção está aqui, na Decades World Tour, mas quando ele [Tuomas] chega em casa, na privacidade do mundo de compor dele, ele trabalha em algumas músicas e claro, eu estive curiosa e perguntando, mas nos momentos certos. Esse é o direito dele, claro. Hayley Leggs: Ele prefere tudo sozinho ou você acha que ele vai abrir espaço para contribuições de outros membros da banda? Floor Jansen: Até um certo ponto, sim. Assim que você começa a tocar as músicas juntos, as idéias automaticamente surgem, e isso já aconteceu com o "Endless Forms Most Beautiful", mas uma canção própria não acontece muito frequentemente. Eu sei que o Marco, nosso baixista, já escreveu no passado, e tenho certeza que ele irá novamente se encaixar. Eu poderia fazer o mesmo se eu tivesse algo como “Tuomas, você precisa ouvir isso, eu acho que encaixaria”, mas com alguém tão bom quanto ele... Para mim, ser capaz de cantar o que ele tem em mente e interpretar, há muita energia criativa usada para isso, e desse jeito funciona. Hayley Leggs: Nas suas bandas antigas, você era a principal compositora, então deve ser um pouco estranho cantar algo que você... obviamente, as canções que já existiam antes, cantar as canções de outra pessoa. Você tem como algo como um desejo intenso de entrar no meio e se envolver com todo o processo? Floor Jansen: Estranhamente, não. Você poderia dizer que depois de tantos anos tendo algo para dizer, mais esforço criativo nesse sentido, eu não me sinto assim, apenas porque as coisas são muito boas. Então, como eu disse, a perspectiva criativa que eu tenho, no momento, é o suficiente, e temos o sentimento de que estamos criando as músicas como uma banda, mesmo que tudo originalmente venha da mente dele. Assim que começamos a tocar, não é mais uma “música do Tuomas Holopainen”, mas uma “música do Nightwish”. E ter a liberdade ali, é muito bom para mim. Hayley Leggs: Bem, você era uma fã da banda antes de virar um membro. Floor Jansen: Sim, eu era. Hayley Leggs: Então isso deve ser uma grande honra, só de poder cantar as músicas. Floor Jansen: Sim! E agora também, com o Decades cantando músicas antigas e indo para o início da banda, é muito interessante pensar onde cada um estava naquele momento, e se ver agora. Hayley Leggs: Eu imagino como deve ter sido o sentimento quando você recebeu aquela ligação deles pedindo para que você se juntasse a banda. Deve ter sido incrível. Floor Jansen: Sim, sim. Hayley Leggs: Então, recentemente você saiu de férias porque, parabéns, você teve um bebê! Floor Jansen: Sim, obrigada! Apesar de que nós não tiramos férias porque eu tive um bebê, nós tiramos férias e eu pensei que esse seria o momento certo para ter um bebê. Na minha área de trabalho, precisamos ter um planejamento detalhado! Hayley Leggs: Não é o tipo de trabalho que você simplesmente pode tirar uma licença maternidade. Se você tiver shows marcados por um ano antecipadamente, você não pode falar “eu não estarei aqui”. Floor Jansen: Não, não. Há tantas pessoas dependendo de você, então claro, nós planejamos antecipadamente muitos anos, então quando eu soube que essa possibilidade estava chegando, apesar de não ser um fato irrefutável de que tudo daria certo, mas felizmente no final das contas deu certo. A senhorita tem 15 meses agora! Hayley Leggs: Estava tudo destinado! Então, essa é a sua primeira filha. E como que as coisas funcionam agora? Seu marido (Hannes Van Dahl) cuida da bebê quando você está em turnê? Floor Jansen: Bem, ele toca no Sabaton, então depende muito do nosso planejamento quem cuida dela. Ela estava conosco por sete semanas nos Estados Unidos, deixar ela por tanto tempo... Hayley Leggs: Sim, porque você pode levar ela com você! Floor Jansen: Sim, nós podemos, o que é um luxo inigualável. E foi muito empolgante descobrir se daria certo ou não, foi muito muito bom. Funciona por finais de semana, ou por período – tudo é planejado antecipadamente para nós podermos nos organizar quem estará onde, e também têm os avós. Nos EUA nós temos um amigo que é a babá, e isso foi perfeito! Há muitos jeitos para organizar as coisas. Hayley Leggs: Ela está praticamente destinada a trabalhar com música! Floor Jansen: Quem sabe, eu tento! Hayley Leggs: Quem sabe uma bibliotecária! Floor Jansen: Talvez ela odeie música e daqui 20 anos ela fale “eu vou ficar na Suécia e eu não quero ouvir metal nunca!” Hayley Leggs: Se rebelando contra as raízes! Então, qual foi seu momento favorito na sua jornada até agora desde que você se juntou ao Nightwish? Floor Jansen: Bem, há muitos! Teve muitos momentos ótimos, eu posso falar sobre os Grandes Shows que quase são os mais óbvios, mas também podem ser coisas pequenas, como ontem a tarde, fomos jantar juntos e é tão legal quando todos estão felizes em se ver e falar “Onde estamos hoje?” “Nós estamos na França” “Ótimo!”. A sensação de liberdade e de que estamos fazendo a coisa certa. Hayley Leggs: É como se fosse uma família, certo? Uma família do metal. Você sempre vê as mesmas pessoas e quando você vem no festival... Floor Jansen: Sim, isso também! Mas quero dizer, só nós, como uma banda, e a equipe, de sair juntos e sim, passar um tempo um com o outro porquê nós queremos. É muito bom. E depois vir aqui [Hellfest] é tipo “oh, você, e você e você”. É legal, e eu tenho feito isso por 20 anos, então eu reconheço muitas pessoas, é realmente como encontrar a família. Hayley Leggs: Então, nós acabamos de entrevistar Michael Amott do Arch Enemy e eu disse a ele que você seria a próxima, e ele disse “pergunte sobre o Arch Enemy!” Floor Jansen: [Risos] Hayley Leggs: [Risos] Então sim, fale sobre o Arch Enemy. Floor Jansen: Nós nos divertimos muito com eles, eu sou uma fã há muitos anos, então para mim foi ótimo tê-los conosco e ver outra vocalista lá, arrasando toda noite, é muito inspirador e muito divertido. Uma das primeiras coisas que eu fiz foi sair pra almoçar com alguns membros! Hayley Leggs: Sim. Você se sente como uma fonte de inspiração, uma modelo, para as suas fãs mulheres? Floor Jansen: Bem, não, mas eu aparentemente me tornei isso. Hayley Leggs: [risos] Sem seu consentimento! Floor Jansen: Sim, você não para pra pensar nisso, e é algo que cresce gradualmente, não é algo que você simplesmente diz “sim eu sou uma modelo, aqui estou eu”. Mas é algo lisonjeador, perceber que com o passar do tempo as pessoas têm me olhado e pensado “ah seria legal se eu fizesse isso ou aquilo”. É uma honra. Hayley Leggs: Temos que encerrar agora, mas foi um prazer conversar com você. Floor Jansen: Com você também! Hayley Leggs: Tenha um ótimo Hellfest! Floor Jansen: Sim! Você também!
  4. Tradução: Head up High, my dear! | Original here! Floor Jansen é a nossa maior cantora pop internacional. Como é que a Holanda não a conhece? Floor Jansen, a maior vocalista que a Holanda tem para oferecer ao mundo, mora numa pequena e bela vila, que certamente deve ser uma das menores do mundo. Essa vila de cartão postal fica no meio de florestas nebulosas, colinas verdes e um grande lado que, de acordo com o último senso, possui 233 habitantes. Certamente é o tipo de lugar onde você esperaria que a vocalista de uma banda como o NIghtwish vivesse. Ou, pelo menos, vagando por suas fantasias e sonhos do metal. Mas Floor Jansen (Nascida em Goirle, 1981) já teve o suficiente desses clichés que a circundam em seu gênero musical: A orquestra prazerosa e as vezes o místico Hard Rock, que era também chamado de Gothic Metal anteriormente. Não tente começar uma entrevista com ela falando sobre essas florestas nebulosas e místicas senão você vai ver que não vai ter mais sobre o que conversar. "É certamente quieto aqui"- ela diz - com certo eufemismo (mais como um aviso ao entrevistador, eu presumo) mas há também a ferrovia próxima e na colina há condomínios. Entretanto, ela concorda que é um tipo diferente de vida se comparado ao que ela era acostumada em sua cidade Natal. E ela fala disso desaprovando, de certa forma: "Claro que você possui lagos na Holanda, mas com certeza com alguns milhares de pessoas em volta de todos eles. E Jet skis cruzando a água!" Bem, sim, a Holanda…um selo postal com 17 milhões de pessoas. Parece haver algumas cicatrizes na sua relação com sua terra natal e ela não se importa de explicá-las. Ela fica até feliz e quer falar sobre elas. UM SHOW HOLANDÊS DECENTE Mas uma coisa de cada vez. Tais recursos que ela gosta na Costa Oeste da Suécia, onde ela vive com seu marido Sueco Hannes Van Dahl (baterista da banda de metal sueca Sabaton) e sua filha - hoje com um ano de idade - Freja. Floor se estabeleceu aqui pela proximidade ao aeroporto internacional de Goteborg. E sim, também por causa da quietude pura e da paz que há na área. Com seus companheiros do Nightwish ela canta ao redor do mundo; da Escandinávia para toda a Europa. De Moscou e Pequim até São Paulo, no Brasil. E para você ter uma ideia de como a agenda da Floor é…ela acabou de retornar de uma turnê de 34 shows nos Estados Unidos. No próximo sábado ela vai cantar novamente na Holanda, finalmente. Um show importante e parece que compensa um pouco, diz Jansen. "Eu tenho esperado por anos por um festival Holandês decente. É ótimo finalmente termos um e ainda melhor, ele será em Fortarock, em Nijmegen. Metaleiros de fato e a atmosfera do metal! Os caminhões da turnê cheios de fogos e artigos pirotécnicos, porque o Nightwish vai arrebentar com muita pirotecnia e músicas clássicas da banda. Eu estou nas nuvens e muito animada." BAIXA AVALIAÇÃO Este é um dos grandes enigmas e quebra-cabeças da indústria musical holandesa. É um dos motivos que deixa os fãs com a pulga atrás da orelha. Por que será que um gênero que de certa forma começou na Holanda e conquistou o mundo, é tão subestimado em sua terra natal? Até mesmo hoje, as vocalistas femininas e bandas tem um importante papel na cena do metal feminino. Obviamente conhecemos as pioneiras do metal sinfônico, tais como Within Temptation (Sharon den Adel), After Forever (Floor) e Epica (Simone Simons). Mas a atenção e a apreciação que elas têm em seu próprio país não se compara à total adoração que elas têm no México ou na Rússia. Lá, longe da escassa indústria musical holandesa e bloggers e seus palcos pops e do ramo dos festivais, a luz está acesa quando Floor Jansen entra em cena. Aqui, o single Élan, muito tranquilo e simples de ouvir, jamais será tocado numa estação de rádio. Enquanto essa música é padrão nas playlists da Suécia e Finlândia. MAIOR QUE ANOUK, CARO EMERALD e ISLE DELANGE Através de linhas de vendas de álbuns e performances, percebe-se que Floor Jansen é de longe a maior estrela musical que nós temos na Holanda. Comparada às três mencionadas acima, mesmo com certa distância (o que não é inteiramente verdade se falarmos de vendas). Por que eu nunca sou convidada por Matthijs Van Niewkerk no seu programa 'DE Wereld Draait'? (Este é um dos maiores talk shows musicais. Sharon e Anneke já foram lá muitas vezes). E quando você ouve Nightwish na 3FM? Nunca!!! Sim, as vezes quando você ganha um prêmio por alguma coisa você tem que explicar o que você está fazendo, tudo do começo. (ela fala de forma muito amarga aqui). Você recebe perguntas do tipo: "Poderia explicar o que exatamente é a música no metal, por favor!" E depois disso eles ficam falando sobre estarem estupefatos com o fato de você ser tão famoso internacionalmente!!! Depois desse tipo de ocasião eu penso: Meu Deus, de novo não! Eu estou bastante de saco cheio com isso, hoje em dia. De onde vem toda essa ignorância? Bem, isso é uma incógnita até hoje. Será que nós, Holandeses, não tão assim dessa música tão rica em fantasia e espiritualidade com guitarras de roque e alguns vocais de ópera combinado com música folk pesada? Eu não acho que seja uma questão de gosto. Floor pensa. Nós temos muitos fãs Holandeses também. Quando nós finalmente tivemos a oportunidade de tocar no Heineken Music Hall , nós o esgotamos duas vezes em apenas alguns dias. Mas o interesse real vem da cena do metal Holandês em si. Além disso, nós não temos a atenção da mídia em si. E eu penso que nós podemos atrair muitos fãs através de nossa música. Não, na Holanda eles ficam falando das mesmas bandas de novo e de novo! Bandas tais como Krezip e Kane, por exemplo. Enquanto eles não possuem nenhum reconhecimento ou popularidade em outros países! (Você pode perceber que a Floor está for a do país há alguns anos, já que essas bandas foram desfeitas há mais ou menos 4 ou 6 anos, mas acho que ela desgosta dessas bandas, assim como eu) FRUSTRAÇÃO "Nunca me acostumei com isso", diz Floor Jansen. "Quando fiz parte do After Forever naquela época e, depois, do Nightwish, eu ainda achava tudo encantador. "Estamos criando algo especial", era o que eu pensava. É claro que mais pessoas precisam ouvir isto. Eles ainda percebem que isto ocorre no mundo novo. Mas aqueles anos incríveis já ficaram no passado. "Hoje, acho frustrante que ninguém queira mais ouvir nossos discos. É uma pena." A questão toda gira em torno da mentalidade musicalmente limitada na Holanda. "Na Holanda, as pessoas pensam muito nos gêneros. Nossa música é classificada como 'metal' e esta é uma música de nicho. Quem é do nicho já conhece." Graças ao seu talento e destaque em bandas como After Forever e ReVamp, Floor Jansen é vista como um modelo de cantora no metal sifônico na Holanda. Com uma voz que alcança tanto notas operáticas, como as mais suaves, além das mais fortes, Floor fez com que até o metaleiro mais conservador tirasse o chapéu para seu talento. Quando o Nightwish enfrentou a saída da vocalista Anette Olzon, em 2012, que foi a sucessora de Tarja Turunen, Floor Jansen foi chamada aos quarenta e cinco do segundo tempo. "Foi uma mudança de ares muito repentina", diz Floor Jansen. "Do nada, eu tive de me perguntar se eu conseguiria cantar com o Nightwish, pois havia um problema nisso. Perguntaram se eu conhecia as músicas e as letras, e eu disse: 'Olha, não todas elas. Mas tudo bem. Vai dar tudo certo.' " PROBLEMAS PESSOAIS Deu tudo certo no fim das contas. "No primeiro show, no dia 1 de Outubro de 2012, em Seattle, quando eu apareci no palco no lugar da Anette, havia um fã que disse querer seu dinheiro de volta, pois não havia pagado para ver Floor Jansen cantando. Depois disso, as vendas dos ingressos subiram no mundo todo." Ela mesma não se vê desta maneira, mas Floor Jansen foi uma verdadeira benção para o Nightwish. A banda, fundada pelo compositor e tecladista Tuomas Holopainen em 1996, na cidade de Kitee, na Finlândia, enfrentou grandes problemas internos. Membros da banda e vocalistas quiseram sair ou foram expulsos do grupo. "Tuomas Holopainen é o compositor mais importante da banda," diz Floor. "Como vocalista, sei que vou cantar as músicas que ele compor, mesmo que você mesma tenha composto a melodia. E estou muito feliz no papel que desempenho. Primeiro porque eu gosto muito do trabalho de Tuomas, pois não vejo como poderia melhorá-lo mais ainda. Mas também gosto, pois tenho espaço para acrescenter minha própria maneira de cantar, de contar aquela história como eu achar melhor. As músicas do Nightwish são compostas pensando na minha voz e técnicas de canto, o que me deixa muito feliz." A voz de Floor passou pelos maiores desafios que já encontrou, segundo Floor. "Hoje em dia, estou cantando notas e usando técnicas que nunca usei antes. Do nada, canto uma oitava abaixo ou acima." O Nightwish se consolidou como um nome de peso novamente após a entrada Floor Jansen. "Se a banda ensaiasse em Nova York, nunca haveria uma vocalista", revela Floor. "Estranho, não é? Quando me tornei a vocalista deles, eu me mudei para a Finlândia. Um dia, eu pensei: 'Vou para o estúdio onde o pessoal está ensaiando e ver se posso me juntar a eles. Então, eu entrei, peguei o microfone e comecei a cantar. Os membros da banda olharam uns para os outros, mas eu continuei cantando. O Nightwish voltou a ser uma banda legal de se fazer parte. Nós nos divertimos muito juntos, e é isso que o público vê em nossos shows. Acabou a época em que era uma banda só de caras que procuravam uma vocalista." O SENTIMENTO NA MÚSICA O disco mais novo, o Endless Forms Most Beautiful, o uma obra conceitual sobre ciência e biologia e o primeiro disco com Floor Jansen nos vocais, é, de acordo com vários fãs, o disco mais inovador do Nightwish. Ele possui mais arranjos de folk e pop do que metal, além de alguns riffs diferentes em músicas, que contam com arranjos orquestrais gloriosos. "Alguns artistas chegam a um ponto em que não se consegue criar algo tão maior ou impactante, então começam a criar música que tenha um sentimento forte", segundo Floor. E a música que criaram com certeza vai além dos limites de gênero e públicos-alvo. "Fãs mais novos vêm aos nossos shows. Meninas que fazem de tudo para se encaixar no padrão estético aparentemente comum no metal sinfônico. Mas também temos pessoas na faixa dos cinquenta anos. Homens com óculos de leitura e roupas normais, por exemplo. Nos Estados Unidos, eu vi um homem de 80 anos bem na grade, que sabia a letra de todas as músicas. Acho que a música que criamos se tornou um meio de ligar pessoas, algo muito além de um nicho ou uma subcultura."
  5. Tradução: Head up High É um prazer te ter aqui, é ótimo que você conseguiu vir ao Q&A, e vamos falar um pouco sobre, ahm, a primeira coisa que me veio à mente agora é o show no Ziggo Dome, eu não acho que muitas pessoas estão sabendo que você se apresentará lá em novembro. Floor Jansen: De fato, sim. 26 de novembro, Nightwish no Ziggo Dome em Amsterdam, senhoras e senhores. Uma coisa de cada vez! Floor Jansen: É, provavelmente será anunciado hoje, então são novidades frescas, e eu estou muito orgulhosa, por que uma banda de metal... Sim, é o maior show nos Países Baixos que você já fez, eu acho. Floor Jansen: Sim, com certeza. Sim, certo. E vocês lançaram uma nova compilação, e eu estava me perguntando, quando vocês saem em turnê, vocês escutam todo o repertório da banda para escolher um setlist? Como vocês escolhem as músicas que vocês tocarão ao vivo? Como que o setlist é formado? Floor Jansen: Sim, foi uma escolha interessante para essa tour em particular, porque nós estamos celebrando nosso aniversário de 20 anos ao fazer uma compilação de todo nosso trabalho, então para o setlist seguimos a mesma idéia, é realmente difícil porque há tantos álbuns e há tantas músicas; mas nós queremos tocar um pouco do primeiro ao último álbum, então nós temos um setlist que nós temos tocado nessas últimas sete semanas que nós estivemos nos EUA, e acabamos de começar os festivais de verão e terá muito dessas músicas que também estão na compilação, o Álbum Decades, e a partir dele nós podemos meio que variar um pouco a setlist. Certo, e vocês, quando vocês estão começando uma turnê mundial, vocês têm em mente que algumas músicas e alguns álbuns são mais populares em algumas partes do mundo ou todo país escutam a mesma setlist? Floor Jansen: Sim, basicamente, se tivesse uma canção em particular [adicionariam no setlist], mas nós ainda não fizemos isso, então nós, nos EUA, apesar dos diferentes estados ainda é um único país, então tivemos apenas um setlist. Eu disse que nós temos músicas diferentes que nós podemos escolher [do decades], e se tiver uma música em particular que se destaque, mas até agora nós estamos felizes com ele. Você deve receber vários pedidos de música sempre. Floor Jansen: Sempre, e você nunca consegue agradar à todos, é impossível. Certo, certo. Quando você sabe que vai tocar nos Países Baixos, o que isso significa para você? O que difere de festivais na Alemanha, ou festivais na França, ou até na Finlândia? Tem um significado diferente para você? Floor Jansen: Sim, com certeza. Digo, sou holandesa para sempre! Mesmo que eu tenha me mudado para o exterior e canto numa banda finlandesa, minhas raízes claramente estão aqui, eu comecei aqui, tocando em porões, em locais pequenos, locais enormes, eu tive o suporte do público holandês o tempo todo e aparentemente ainda tenho, se eu venho aqui, é realmente muito reconfortante, estou me arrepiando aqui! Obrigada, porque, bem... É estar em casa. Floor Jansen: É, é estar em casa, e quando nós tocamos o Heineken Musical na tour passada, nós tínhamos uma apresentação que esgotou num estalar de dedos, e depois nós esgotamos de novo num piscar de olhos e eu pensei “nossa, isso é estar em casa, que acabou de provar que bem, eu fiz algumas entrevistas e apareci em alguns jornais onde eu disse que odeio a Holanda por conta da sua cultura musical” – risos – mas isso não se aplica as pessoas que têm me acompanhado desde sempre, porque eu acho que todo metaleiro sabe do que eu estou falando quando se trata da diversidade na nossa música, e na grande mídia as pessoas não podem nem escolher [o que ouvir], então eles nunca entram em contato em bandas como Nightwish porque não é tocado nas rádios, essa foi a minha encrenca, mas vindo aos Países Baixos como uma holandesa, agora e no passado, sempre venho com um apoio extra e isso é emocionante, e agora com Ziggo Dome é ainda maior, e isso é puramente por conta disso [aponta para o público], por conta de vocês, e agora é a hora de vocês me darem aplausos. Obrigada! Isso é especial. Okay, agora que você... quando você olha para o passado, na Holanda, do período que você estava no After Forever, você teve o Revamp, e bem quando o Revamp estava deslanchando, o Nightwish apareceu. Você já considerou encerrar o Revamp de outro modo de como o que aconteceu? Floor Jansen: Sim, e eu encerrei primeiro. Quando eu me uni ao Nightwish daquele modo repentino, nós tínhamos acabado de planejar a gravação do segundo álbum, depois de um tempo de pausa, bem, pausa – eu estou bem, ajeitando as coisas para uma turnê, planejando algumas coisas e preparando um novo álbum – foi nesse período que eu me juntei ao Nightwish, do nada. Aquilo significava que eu teria que me adaptar os planos de gravação, e o lançamento do segundo álbum, mas eu não pensei por um momento “bem, agora não vou mais lançá-lo” ou então “não o terminarei”, eu queria terminá-lo, eu queria fazer uma turnê com o álbum, para as pessoas que estavam esperando, ambos os membros da minha banda quanto as pessoas que escutavam a banda, então foi isso que eu fiz. Mas aquilo significava que eu estaria em turnê e fazendo álbuns o tempo todo e como eu já tinha tido o burnout, eu não queria ter outro, então eu tive que fazer uma escolha. E também porque eu teria que pedir para todos do Revamp para esperar por mim, e isso não é justo, todos eles são ótimos musicistas, e muitos estão aqui hoje, tocando em bandas diferentes e isso é, você sabe, o que eles devem fazer. Sim, sim. Legal. Então, quando você se mudou para a Escandinavia, para a Finlandia, como você se sentiu? Foi um recomeço para você, como foi encerrar um capítulo da sua vida? Floor Jansen: Sim, eu nunca me vi como alguém que se mudaria para o exterior e isso simplesmente apareceu na minha jornada, eu tentei aprender a língua finlandesa que é realmente difícil, e eu percebi que se eu quisesse realmente aprender a língua, eu precisaria me mudar para a Finlândia, e isso foi um grande passo, e muito assustador. Eu me mudei sozinha; eu me mudei para lá e estava cercada por ótimas pessoas, mas ainda assim, lá está você em um país diferente. Eu não entendia nada, se tinha uma tradução para alguma outra língua, era para o russo. Ir ao supermercado e olhar para as placas e não ter ideia do que significa... Mas então eu conheci um homem sueco, e eu conversava em inglês com um sueco na Finlândia, o que não fazia sentido; mas eu me apaixonei pelo Norte, então me mudei para a Suécia, então meu finlandês... bem, ele nunca realmente aconteceu mas eu sou boa em sueco! Dado o status do Nightwish na Finlândia, o que acontece quando você sai em público na Finlândia, as pessoas se aproximam de você, ou, como que funciona? Floor Jansen: Bem, finlandeses e holandeses são bem parecidos quanto a isso, bem diretos mas não ficam “oh meu deus, isso é maravilhoso”, então normalmente eu consigo me movimentar pela cidade normalmente. Entretanto, depois da primeira cerveja e da primeira vodka, as coisas começam a ficar diferente [risos], mas eu realmente me senti como se todos soubessem quem eu sou e eu não conhecia ninguém onde eu vivia, então logo apareceram vizinhos na porta: “hey, você vai tocar no festival do vizinho, posso ir como convidado?” e coisas assim. Eu não curti muito. Sim sim, então... você ensina, você teve treinamento profissional, então você ensina online e eu imagino que... Floor Jansen: Não ensino mais há alguns anos... Certo, quando você pensa nos seus estudos, como cantora, eu estava me perguntando, você acha que há atenção o suficiente para o rock e metal nesse tipo de estudo? Digo, você pode se tornar uma cantora de ópera, uma cantora de jazz, mas quando você analisa o canto de rock e de metal, você recomendaria algo ao sistema educacional que nós temos? Floor Jansen: Eu acho que, ahm, o sistema educacional deixa o pop e o rock de lado. Quando eu queria estudar canto, quando eu terminei meu ensino médio, não tinha nada além de escolas teatrais ou o conservatório, mas agora há Escolas de Rock, e há vários tipos de escola... I: Você esteve no primeiro ano da Rock Academy, certo? Floor Jansen: Sim, quando se trata da evolução da música pop, no geral, cantar de uma forma não-classica, é uma evolução relativamente curta, há apenas algumas décadas de conhecimento do uso da voz pop, enquanto há centenas de anos de conhecimento do uso da voz erudita. E você realmente pode perceber que nos últimos 10, 20 anos, o conhecimento tem crescido. Até quando eu estava estudando, no começo, eles disseram “o jeito que você canta não é possível, você não deve cantar desse jeito, é ruim para a sua saúde”, e eu não estava nem fazendo gutural ou algo assim, apenas a combinação de 2 cantos era vista como algo completamente inalcançável. “O que ela está pensando??” Mas denovo, há muitas cantoras muito famosas provando o contrário, e agora há muito mais conhecimento sobre isso, então eu acredito que os estudos são bons e importantes, te ajuda, mas tudo parte de você mesmo. Você precisa ter talento, você precisa ter a vontade e a ambição de ser sucedido, essa é a combinação. A escola não vai te levar a algum lugar, tudo depende de você [risos]. Ahm, quando você começou com o Nightwish, você teve que colocar muita coisa em dia com todo o repertório e... Floor Jansen: Sim [risos] E agora você está mais estável, mais ou menos, e você está pensando sobre novos álbuns, e a sua própria influência na banda, eu acho... Floor Jansen: Sim, depois de 6 anos [risos] Obviamente, mas, quais suas ambições como cantora? Quais outras ambições você tem além de só manter o Nightwish acontecendo? Floor Jansen: Eu particularmente não tenho ambições assim no momento, eu estou muito satisfeita com o que eu consigo fazer musicalmente e também com a minha energia criativa, apesar de eu não estar escrevendo, eu estou tendo muita liberdade em fazer as músicas virem à tona com a minha energia criativa, e meu som, e com isso eu me sinto desafiada, mas eu sempre estive fazendo alguns projetos paralelos ou algo a mais, e eu na verdade estive trabalhando em um álbum que eu escrevi há 10 anos, que vai sair esse ano em outubro, e é rock. Nós estávamos experimentando com isso, e além, eu adoraria gravar um álbum super calmo, mas o primeiro lançamento será rock. Você nunca sabe o que vai acontecer, e eu amo a progressão natural das coisas conforme elas veem. Você já foi chamada para fazer um álbum de óperas ou algo parecido? Floor Jansen: Não, mas, eu consigo cantar um pouco de ópera, mas eu não sou uma cantora de ópera. Eu gosto do que eu consigo fazer, eu tenho orgulho do que eu consigo fazer, mas a diferença entre uma cantora de ópera completamente realizada e eu, que teve um pouco de estudo, é bem grande, e eu ouvi uma cantora de ópera hoje que eu pensei “wow eu não acho que eu compraria o álbum mas ela é ótima!”. E eu consigo ouvir a diferença. Certo, tudo certo. Floor Jansen: Além disso, mundo do teatro e esse [metal] são tão diferentes, eu me encaixo perfeitamente nesse, mas não acho que o teatro seria a minha praia. Não, não, certo. Eu gostaria de te perguntar uma última pergunta antes de eu passar a palavra, e é quando você analisa a sua carreira, desde o After Forever, até hoje, você vê como períodos separados ou é tudo uma coisa só, e você percebe que 20 anos depois, aqui estamos nós. Floor Jansen: Ah, eu não sei. Teve grandes momentos, porque do nada não havia mais After Forever e isso foi um “boom” muito grande, esse capítulo está fechado agora, eu estive doente por um ano e meio, e isso criou uma pausa tão grande que eu não consigo ver como se fosse uma coisa contínua de 20 anos. Mas as vezes eu acordo e penso “eu tenho feito isso por vinte anos!”, olhando para mim mesma no espelho e sim, de fato, eu tenho feito! O tempo voou, isso é ótimo, e eu vejo bandas novas agora e eu percebo que eu tenho envelhecido, que eu não sou mais aquela garota de 18 anos entrando na cena de festivais. Eu me lembro do sentimento de querer mostrar para todo mundo “hey, eu também sou uma artista”, porque naquele tempo era tão raro para uma mulher ir para o backstage como uma artista, e atualmente isso é tão mais comum, o que é uma ótima coisa de se ver e ser uma das pessoas, nesse sentido, que conseguiram estabilidade dentro da estabilidade [risos]. É um ótimo sentimento, mas 20 anos? Não, foi num piscar de olhos. Certo, então nós chamamos a Floor, como parte da Booma Rocks Presentation aqui no Fortarock, a Booma Rocks está tentando promover bandas holandesas de música pesada tanto nacionalmente quanto internacionalmente e nós temos feito isso há alguns anos, e nós gostaríamos de chamar Frank Helming ao palco que é o diretor da permacultura e quem começou o Booma Rocks que tem um anuncio a fazer! Floor Jansen: Um anúncio muito bom e não muito... bem... você pode ver o que está em minhas mãos. Mas eu vou falar algo por uns 30 segundos, desculpe. Nós começamos o Booma Rocks há 6 anos para fazer exatamente o que você estava dizendo há uma semana no jornal, para tentar colocar mais pessoas na rádio, metal, rock o que quer que seja, contanto que não seja apenas música eletrônica e etc. Nós começamos há 6 anos e você descobre, quando começa a fazer uma coisa dessas que leva um longo tempo para crescer, e depois de alguns anos, eu acredito que estamos recebendo um pouco de atenção do mundo exterior [fora do mundo do metal], fora da Holanda, mas também na Holanda. Finalmente estamos recebendo um pouco de atenção em música pesada, e nós também pensamos em todo esse processo de tentar promover música pesada era bem, você tem que ter uma atenção especial às pessoas da Holanda que estão realmente levando a música pesada para todos os lugares dentro e fora do país, então nós queríamos fazer uma Booma Rocks Expo Awards e um dos nomes que mais chamaram a atenção nossa e dos fans foi, claramente o seu, porque se tem alguém da Holanda que está recebendo e direcionando toda a atenção para a direção certa, é você, senhora Floor Jansen, e eu realmente queria te parabenizar por ganhar o Booma Rocks Expo Awards 2018! Floor Jansen! Floor Jansen: Wow! Eu geralmente sempre tenho algo a dizer, eu sou uma mulher, no final das contas, mas eu estou impressionada pelas palavras que você usou para justificar o porquê de eu estar ganhando o prêmio. Me tocou profundamente, eu, ah, yeah, eu estou honrada, de verdade, porque eu acho que todos os nossos corações batem para a mesma direção, pelo amor a essa música e não é só sobre mim, ou você, ou sobre as bandas, mas sobre o sentimento que essa música transmite e eu poder ser uma parte importante de toda essa estrutura, é uma honra e eu estou muito orgulhosa que eu ganhei esse reconhecimento para uma música que faz todos os nossos corações baterem mais forte. Obrigada! De verdade.
  6. https://www.youtube.com/embed/7kDSAYYeO9A Tradução: Head up High É um prazer te ter aqui, é ótimo que você conseguiu vir ao Q&A, e vamos falar um pouco sobre, ahm, a primeira coisa que me veio à mente agora é o show no Ziggo Dome, eu não acho que muitas pessoas estão sabendo que você se apresentará lá em novembro. Floor Jansen: De fato, sim. 26 de novembro, Nightwish no Ziggo Dome em Amsterdam, senhoras e senhores. Uma coisa de cada vez! Floor Jansen: É, provavelmente será anunciado hoje, então são novidades frescas, e eu estou muito orgulhosa, por que uma banda de metal... Sim, é o maior show nos Países Baixos que você já fez, eu acho. Floor Jansen: Sim, com certeza. Sim, certo. E vocês lançaram uma nova compilação, e eu estava me perguntando, quando vocês saem em turnê, vocês escutam todo o repertório da banda para escolher um setlist? Como vocês escolhem as músicas que vocês tocarão ao vivo? Como que o setlist é formado? Floor Jansen: Sim, foi uma escolha interessante para essa tour em particular, porque nós estamos celebrando nosso aniversário de 20 anos ao fazer uma compilação de todo nosso trabalho, então para o setlist seguimos a mesma idéia, é realmente difícil porque há tantos álbuns e há tantas músicas; mas nós queremos tocar um pouco do primeiro ao último álbum, então nós temos um setlist que nós temos tocado nessas últimas sete semanas que nós estivemos nos EUA, e acabamos de começar os festivais de verão e terá muito dessas músicas que também estão na compilação, o Álbum Decades, e a partir dele nós podemos meio que variar um pouco a setlist. Certo, e vocês, quando vocês estão começando uma turnê mundial, vocês têm em mente que algumas músicas e alguns álbuns são mais populares em algumas partes do mundo ou todo país escutam a mesma setlist? Floor Jansen: Sim, basicamente, se tivesse uma canção em particular [adicionariam no setlist], mas nós ainda não fizemos isso, então nós, nos EUA, apesar dos diferentes estados ainda é um único país, então tivemos apenas um setlist. Eu disse que nós temos músicas diferentes que nós podemos escolher [do decades], e se tiver uma música em particular que se destaque, mas até agora nós estamos felizes com ele. Você deve receber vários pedidos de música sempre. Floor Jansen: Sempre, e você nunca consegue agradar à todos, é impossível. Certo, certo. Quando você sabe que vai tocar nos Países Baixos, o que isso significa para você? O que difere de festivais na Alemanha, ou festivais na França, ou até na Finlândia? Tem um significado diferente para você? Floor Jansen: Sim, com certeza. Digo, sou holandesa para sempre! Mesmo que eu tenha me mudado para o exterior e canto numa banda finlandesa, minhas raízes claramente estão aqui, eu comecei aqui, tocando em porões, em locais pequenos, locais enormes, eu tive o suporte do público holandês o tempo todo e aparentemente ainda tenho, se eu venho aqui, é realmente muito reconfortante, estou me arrepiando aqui! Obrigada, porque, bem... É estar em casa. Floor Jansen: É, é estar em casa, e quando nós tocamos o Heineken Musical na tour passada, nós tínhamos uma apresentação que esgotou num estalar de dedos, e depois nós esgotamos de novo num piscar de olhos e eu pensei “nossa, isso é estar em casa, que acabou de provar que bem, eu fiz algumas entrevistas e apareci em alguns jornais onde eu disse que odeio a Holanda por conta da sua cultura musical” – risos – mas isso não se aplica as pessoas que têm me acompanhado desde sempre, porque eu acho que todo metaleiro sabe do que eu estou falando quando se trata da diversidade na nossa música, e na grande mídia as pessoas não podem nem escolher [o que ouvir], então eles nunca entram em contato em bandas como Nightwish porque não é tocado nas rádios, essa foi a minha encrenca, mas vindo aos Países Baixos como uma holandesa, agora e no passado, sempre venho com um apoio extra e isso é emocionante, e agora com Ziggo Dome é ainda maior, e isso é puramente por conta disso [aponta para o público], por conta de vocês, e agora é a hora de vocês me darem aplausos. Obrigada! Isso é especial. Okay, agora que você... quando você olha para o passado, na Holanda, do período que você estava no After Forever, você teve o Revamp, e bem quando o Revamp estava deslanchando, o Nightwish apareceu. Você já considerou encerrar o Revamp de outro modo de como o que aconteceu? Floor Jansen: Sim, e eu encerrei primeiro. Quando eu me uni ao Nightwish daquele modo repentino, nós tínhamos acabado de planejar a gravação do segundo álbum, depois de um tempo de pausa, bem, pausa – eu estou bem, ajeitando as coisas para uma turnê, planejando algumas coisas e preparando um novo álbum – foi nesse período que eu me juntei ao Nightwish, do nada. Aquilo significava que eu teria que me adaptar os planos de gravação, e o lançamento do segundo álbum, mas eu não pensei por um momento “bem, agora não vou mais lançá-lo” ou então “não o terminarei”, eu queria terminá-lo, eu queria fazer uma turnê com o álbum, para as pessoas que estavam esperando, ambos os membros da minha banda quanto as pessoas que escutavam a banda, então foi isso que eu fiz. Mas aquilo significava que eu estaria em turnê e fazendo álbuns o tempo todo e como eu já tinha tido o burnout, eu não queria ter outro, então eu tive que fazer uma escolha. E também porque eu teria que pedir para todos do Revamp para esperar por mim, e isso não é justo, todos eles são ótimos musicistas, e muitos estão aqui hoje, tocando em bandas diferentes e isso é, você sabe, o que eles devem fazer. Sim, sim. Legal. Então, quando você se mudou para a Escandinavia, para a Finlandia, como você se sentiu? Foi um recomeço para você, como foi encerrar um capítulo da sua vida? Floor Jansen: Sim, eu nunca me vi como alguém que se mudaria para o exterior e isso simplesmente apareceu na minha jornada, eu tentei aprender a língua finlandesa que é realmente difícil, e eu percebi que se eu quisesse realmente aprender a língua, eu precisaria me mudar para a Finlândia, e isso foi um grande passo, e muito assustador. Eu me mudei sozinha; eu me mudei para lá e estava cercada por ótimas pessoas, mas ainda assim, lá está você em um país diferente. Eu não entendia nada, se tinha uma tradução para alguma outra língua, era para o russo. Ir ao supermercado e olhar para as placas e não ter ideia do que significa... Mas então eu conheci um homem sueco, e eu conversava em inglês com um sueco na Finlândia, o que não fazia sentido; mas eu me apaixonei pelo Norte, então me mudei para a Suécia, então meu finlandês... bem, ele nunca realmente aconteceu mas eu sou boa em sueco! Dado o status do Nightwish na Finlândia, o que acontece quando você sai em público na Finlândia, as pessoas se aproximam de você, ou, como que funciona? Floor Jansen: Bem, finlandeses e holandeses são bem parecidos quanto a isso, bem diretos mas não ficam “oh meu deus, isso é maravilhoso”, então normalmente eu consigo me movimentar pela cidade normalmente. Entretanto, depois da primeira cerveja e da primeira vodka, as coisas começam a ficar diferente [risos], mas eu realmente me senti como se todos soubessem quem eu sou e eu não conhecia ninguém onde eu vivia, então logo apareceram vizinhos na porta: “hey, você vai tocar no festival do vizinho, posso ir como convidado?” e coisas assim. Eu não curti muito. Sim sim, então... você ensina, você teve treinamento profissional, então você ensina online e eu imagino que... Floor Jansen: Não ensino mais há alguns anos... Certo, quando você pensa nos seus estudos, como cantora, eu estava me perguntando, você acha que há atenção o suficiente para o rock e metal nesse tipo de estudo? Digo, você pode se tornar uma cantora de ópera, uma cantora de jazz, mas quando você analisa o canto de rock e de metal, você recomendaria algo ao sistema educacional que nós temos? Floor Jansen: Eu acho que, ahm, o sistema educacional deixa o pop e o rock de lado. Quando eu queria estudar canto, quando eu terminei meu ensino médio, não tinha nada além de escolas teatrais ou o conservatório, mas agora há Escolas de Rock, e há vários tipos de escola... I: Você esteve no primeiro ano da Rock Academy, certo? Floor Jansen: Sim, quando se trata da evolução da música pop, no geral, cantar de uma forma não-classica, é uma evolução relativamente curta, há apenas algumas décadas de conhecimento do uso da voz pop, enquanto há centenas de anos de conhecimento do uso da voz erudita. E você realmente pode perceber que nos últimos 10, 20 anos, o conhecimento tem crescido. Até quando eu estava estudando, no começo, eles disseram “o jeito que você canta não é possível, você não deve cantar desse jeito, é ruim para a sua saúde”, e eu não estava nem fazendo gutural ou algo assim, apenas a combinação de 2 cantos era vista como algo completamente inalcançável. “O que ela está pensando??” Mas denovo, há muitas cantoras muito famosas provando o contrário, e agora há muito mais conhecimento sobre isso, então eu acredito que os estudos são bons e importantes, te ajuda, mas tudo parte de você mesmo. Você precisa ter talento, você precisa ter a vontade e a ambição de ser sucedido, essa é a combinação. A escola não vai te levar a algum lugar, tudo depende de você [risos]. Ahm, quando você começou com o Nightwish, você teve que colocar muita coisa em dia com todo o repertório e... Floor Jansen: Sim [risos] E agora você está mais estável, mais ou menos, e você está pensando sobre novos álbuns, e a sua própria influência na banda, eu acho... Floor Jansen: Sim, depois de 6 anos [risos] Obviamente, mas, quais suas ambições como cantora? Quais outras ambições você tem além de só manter o Nightwish acontecendo? Floor Jansen: Eu particularmente não tenho ambições assim no momento, eu estou muito satisfeita com o que eu consigo fazer musicalmente e também com a minha energia criativa, apesar de eu não estar escrevendo, eu estou tendo muita liberdade em fazer as músicas virem à tona com a minha energia criativa, e meu som, e com isso eu me sinto desafiada, mas eu sempre estive fazendo alguns projetos paralelos ou algo a mais, e eu na verdade estive trabalhando em um álbum que eu escrevi há 10 anos, que vai sair esse ano em outubro, e é rock. Nós estávamos experimentando com isso, e além, eu adoraria gravar um álbum super calmo, mas o primeiro lançamento será rock. Você nunca sabe o que vai acontecer, e eu amo a progressão natural das coisas conforme elas veem. Você já foi chamada para fazer um álbum de óperas ou algo parecido? Floor Jansen: Não, mas, eu consigo cantar um pouco de ópera, mas eu não sou uma cantora de ópera. Eu gosto do que eu consigo fazer, eu tenho orgulho do que eu consigo fazer, mas a diferença entre uma cantora de ópera completamente realizada e eu, que teve um pouco de estudo, é bem grande, e eu ouvi uma cantora de ópera hoje que eu pensei “wow eu não acho que eu compraria o álbum mas ela é ótima!”. E eu consigo ouvir a diferença. Certo, tudo certo. Floor Jansen: Além disso, mundo do teatro e esse [metal] são tão diferentes, eu me encaixo perfeitamente nesse, mas não acho que o teatro seria a minha praia. Não, não, certo. Eu gostaria de te perguntar uma última pergunta antes de eu passar a palavra, e é quando você analisa a sua carreira, desde o After Forever, até hoje, você vê como períodos separados ou é tudo uma coisa só, e você percebe que 20 anos depois, aqui estamos nós. Floor Jansen: Ah, eu não sei. Teve grandes momentos, porque do nada não havia mais After Forever e isso foi um “boom” muito grande, esse capítulo está fechado agora, eu estive doente por um ano e meio, e isso criou uma pausa tão grande que eu não consigo ver como se fosse uma coisa contínua de 20 anos. Mas as vezes eu acordo e penso “eu tenho feito isso por vinte anos!”, olhando para mim mesma no espelho e sim, de fato, eu tenho feito! O tempo voou, isso é ótimo, e eu vejo bandas novas agora e eu percebo que eu tenho envelhecido, que eu não sou mais aquela garota de 18 anos entrando na cena de festivais. Eu me lembro do sentimento de querer mostrar para todo mundo “hey, eu também sou uma artista”, porque naquele tempo era tão raro para uma mulher ir para o backstage como uma artista, e atualmente isso é tão mais comum, o que é uma ótima coisa de se ver e ser uma das pessoas, nesse sentido, que conseguiram estabilidade dentro da estabilidade [risos]. É um ótimo sentimento, mas 20 anos? Não, foi num piscar de olhos. Certo, então nós chamamos a Floor, como parte da Booma Rocks Presentation aqui no Fortarock, a Booma Rocks está tentando promover bandas holandesas de música pesada tanto nacionalmente quanto internacionalmente e nós temos feito isso há alguns anos, e nós gostaríamos de chamar Frank Helming ao palco que é o diretor da permacultura e quem começou o Booma Rocks que tem um anuncio a fazer! Floor Jansen: Um anúncio muito bom e não muito... bem... você pode ver o que está em minhas mãos. Mas eu vou falar algo por uns 30 segundos, desculpe. Nós começamos o Booma Rocks há 6 anos para fazer exatamente o que você estava dizendo há uma semana no jornal, para tentar colocar mais pessoas na rádio, metal, rock o que quer que seja, contanto que não seja apenas música eletrônica e etc. Nós começamos há 6 anos e você descobre, quando começa a fazer uma coisa dessas que leva um longo tempo para crescer, e depois de alguns anos, eu acredito que estamos recebendo um pouco de atenção do mundo exterior [fora do mundo do metal], fora da Holanda, mas também na Holanda. Finalmente estamos recebendo um pouco de atenção em música pesada, e nós também pensamos em todo esse processo de tentar promover música pesada era bem, você tem que ter uma atenção especial às pessoas da Holanda que estão realmente levando a música pesada para todos os lugares dentro e fora do país, então nós queríamos fazer uma Booma Rocks Expo Awards e um dos nomes que mais chamaram a atenção nossa e dos fans foi, claramente o seu, porque se tem alguém da Holanda que está recebendo e direcionando toda a atenção para a direção certa, é você, senhora Floor Jansen, e eu realmente queria te parabenizar por ganhar o Booma Rocks Expo Awards 2018! Floor Jansen! Floor Jansen: Wow! Eu geralmente sempre tenho algo a dizer, eu sou uma mulher, no final das contas, mas eu estou impressionada pelas palavras que você usou para justificar o porquê de eu estar ganhando o prêmio. Me tocou profundamente, eu, ah, yeah, eu estou honrada, de verdade, porque eu acho que todos os nossos corações batem para a mesma direção, pelo amor a essa música e não é só sobre mim, ou você, ou sobre as bandas, mas sobre o sentimento que essa música transmite e eu poder ser uma parte importante de toda essa estrutura, é uma honra e eu estou muito orgulhosa que eu ganhei esse reconhecimento para uma música que faz todos os nossos corações baterem mais forte. Obrigada! De verdade.
  7. Metal Hammer - Adquira a sua AQUI | Tradução: Head up High, my dear! Uma celebração das mulheres que definem o metal em 2018 “Havia um cara na plateia que não parava de gritar comigo. Ele não calava a boca. Eu disse a ele: ‘Por que você vem aqui e diz isso na minha cara depois do show?’ ” Floor Jansen passou sua vida inteira lidando com gente grosseira. Enquanto o Nightwish se prepara para comemorar seus 20 anos de carreira cheios de sucessos incríveis, descobrimos por que sua tão introvertida vocalista se recusa a seguir as regras. Floor descreve a si mesma como “teimosa e determinada” e que esta atitude lhe rendeu bons frutos até o momento. Se Floor Jansen ainda se lembra da primeira vez que lidou com comentários imbecis e saiu vitoriosa. Foi no início dos anos 2000, com sua antiga banda, o After Forever, durante uma turnê que contava com outras bandas quase que exclusivamente europeias e compostas por homens. A presença de uma mulher nos vocais, aparentemente, foi demais para algumas pessoas mais limitadas na plateia, que foram dominadas por um típico comportamento masculino. “Eu tive de ouvir muita merda da plateia o tempo todo”, diz ela. “’Veja só, tem uma mulher no palco‘. No início, encarei como parte da situação toda. Mas a coisa logo me deixou meio ‘Sério mesmo?’. As pessoas gritavam ou ‘Slayer!’ ou ‘Peitos!’. E eu dizia ‘Beleza, não somos o Slayer e eu tenho peitos. Muito inteligente da sua parte ser capaz de perceber essas coisas. Podemos deixar isso de lado agora?’” Levando em consideração a mulher que era o foco daqueles comentários era, nas palavras dela, “teimosa, determinada e sem medo de brigar”. Era inevitável, também, que as coisas chegassem a um ponto crítico. Floor não se lembra da data ou onde aconteceu, mas lembra-se claramente como a discussão ocorreu. “Tinha um cara gritando coisas idiotas para mim o tempo todo: ‘HURR DURR, PEITOS’ [ridicularizando o tom de voz do rapaz]. Ele não calava a boca. Uma hora, eu disse: ‘Já que você é tão machão, por que você vem aqui e diz isso na minha cara depois do show?’” O público, segundo ela, segurou a respiração por alguns segundos. A holandesa de quase dois metros armada com um olhar cheio de fúria e paciência já no fim havia abertamente provocado um imbecil bêbado. “É, eu chamei o cara pra brigar no palco”, diz ela. “Funcionou na hora. Ele ficou quietinho.” Ela levanta a sobrancelha, como quem sabe o que faz, e diz: “Se quiser ser idiota a esse ponto, sinta-se à vontade. Mas você não merece minha atenção.” Quando se pensa na atitude esnobe de alguns fãs com o gênero musical, é irônico que o metal sinfônico tenha sido a principal frente de batalha pela igualdade de gênero nos últimos 20 anos. Há poucos gêneros musicais em que as mulheres tenham alcançado uma posição tão forte de destaque, com exemplos como Sharon den Adel, do Within Temptation, até Simone Simons, do Epica, e a própria Floor. Ainda que seja dominado por homens, este é um gênero ainda pouquíssimo excludente do que muitos outros gêneros musicais tidos como “evoluídos” (por exemplo, a grande mente por trás da banda em que Floor canta, o Nightwish, é claramente Tuomas Holopainen, o tecladista e principal compositor). A própria Floor não está lá muito confortável em ser algum tipo de modelo a ser seguido por ninguém, mesmo que a modéstia a torne relutante em ser um exemplo de luta pela igualdade de gêneros. “As pessoas parecem me consideram algum tipo modelo a ser seguido.”, diz ela. “A princípio, eu pensei... [ela faz um som de desaprovação]... Mas, então, pensei: ‘’Bom, me sinto um tanto lisonjeada com isso.’ Não quero que as pessoas me copiem. Eu quero que você seja você mesma. Você já é forte o suficiente. Enfim, não quero que as pessoas ache que eu sou tudo isso.” Estamos em um estúdio, sob temperaturas baixíssimas, em uma região industrial localizado nos subúrbios de Gotemburgo. Floor mora a meia hora dali, com seu marido, Hannes, baterista do Sabaton, e a filha dos dois, a bebê de dez meses Freja. É a primeira semana de janeiro. Em alguns dias, Floor vai se reunir com seus colegas de banda do Nightwish para conversar sobre as turnês europeia e norte-americana para promover o novo disco de melhores hits da banda, o Decades. Será a primeira vez que eles se reúnem desde 2016, quando iniciaram sua pausa de um ano. Para a cantora, a pausa e sua gravidez se encaixaram perfeitamente, ainda que de maneira não muito óbvia. “Acho que muitas pessoas imaginaram que eu faria aquela pausa por causa da minha gravidez.”, diz ela. “Mas a gravidez ocorreu por causa da decisão de tirarmos um ano para descansarmos.” Quando sugeriram a pausa, ela não gostou muito da ideia a princípio. Ela havia entrado na banda fazia poucos anos e ainda estava com toda a energia possível para fazer shows. “Não foi um momento em que eu pensei: ‘Beleza, vamos fazer uma pausa’. Eu pensei: ‘Ah, merda...’” Mas a idéia começou a se desenvolver para ela. Ela e Hannes haviam conversado sobre terem filhos, e esta seria a oportunidade perfeita para tentar. “Estou em uma banda com seis pessoas”, ela diz. “Se uma pessoa decide fazer algo, esta decisão vai afetar a todos. Foi aí que eu pensei: ‘Hm, esse um ano pode ser uma bom período.’ Mas até isso foi difícil! Hahaha! Não se consegue planejar muita coisa quando o assunto é gravidez.” No palco e no estúdio, Floor é uma figura imponente. Sua voz, poderosa e estridente, mas carregada de emoção e delicadeza, é quase que uma força da natureza de tão potente. Hoje, sentada em uma cadeira baixa, de pernas cruzadas, ela se mostra aberta e bem amigável, mesmo com o ar de frieza que a cerca. Ela admite não ter paciência, tampouco tolerância com pessoas idiotas. “Todo mundo conhece um bocado de idiotas em seus ambientes de trabalho, não apenas no meio musical”, afirma ela. “Mas eu sou impaciente. Isso faz qualquer um soar meio idiota em qualquer situação. Sei que não é justo.” Independente do que digam, Floor Jansen não é esnobe. Esta palavra foi usada por muitas pessoas para descrevê-la durante anos e tornou-se um tipo de ofensa que funcionou como uma arma usada por pessoas aparentemente incapazes de entender que uma mulher em uma posição de poder como a dela tem o direito de se recusar a ouvir besteiras de qualquer um. Em 2014, ela se sentiu na obrigação de divulgar uma carta aberta na internet em resposta às críticas relacionadas a como ela lidava com seus fãs. O conteúdo da carta resume-se em uma frase que vai direto ao ponto: “Não sou uma vadia arrogante” (um sentimento que um colega de profissão homem nunca precisaria externar para se defender). “Só o fato de ter de escrever sobre isso já me irrita”, diz ela, claramente incomodada. “Pois eu me senti mal interpretada, mas defendo o que disse. As pessoas acham que, quando vêm falar comigo, gritando no meu ouvindo, eu tenho de atender aos desejos delas. Eu vou me virar, sorrir e tirar uma foto com elas, mas não sou obrigada a nada. As pessoas não têm o direito de dizer se deu devo fazer alguma porra ou não só porque eu canto em uma banda.” Pouco presente em alguma rede social atualmente, Floor não usa o Twitter há meses (talvez anos) e não esconde o desconforto que sente com artistas que “postam 12 fotos de si mesmos no Instagram todos os dias.” Ela se tornou o alvo de uma fúria implacável por parte de certos grupos de headbangers após dizer que o Slayer era “uma banda terrível” em uma entrevista dada à Metal Hammer. “A questão das mídias sociais é ridícula”, diz ela, mostrando não ter mais paciência com o assunto. “Todos dizem o que querem o tempo todo. Em teoria, não tem nada de errado com isso, mas as pessoas o fazem de maneira nem um pouco civilizada. Imagine só entrar em um bar e todos lá conversam como as pessoas conversam na internet. Haveria brigas e gente perdendo os dentes o tempo todo. As redes sociais são...”. Ela parece estar tão cansada do assunto, que mal termina a frase. No entanto, ela respira fundo e solta o ar de maneira brusca, demonstrando o que acha de toda a situação. Ela nem sempre foi tão forte assim. Quando era adolescente e ainda explorando o canto, ela sentia uma mistura de confiança e insegurança. Na parte corporal, sua altura serviu-lhe como vantagem ao cantar, pois tinha presença de palco, além de uma voz potente. Floor: nem de longe uma “vadia arrogante”. Mas também significa lutar pelos direitos de suas colegas de profissão. “Eu era alta e tive de ouvir piadinhas por causa disso durante muito tempo”, revela Floor. “Sofri muito bullying durante bastante tempo. Foi péssimo. Me senti muito sozinha nesse período. Eu só tinha um ou dois amigos.” A música trouxe conforto. Ela pediu para participar do musical de Joseph And The Amazing Technicolor Dreamcoat, produzido em sua escola. “Foi lá que me tornei próxima às pessoas que, aparentemente, não se importavam com o que incomodava tanto o resto da escola, como a minha altura ou o meu sotaque, que tinha por ser de uma região diferente da região deles.” Em 1999, Floor se formou na escola e matriculou-se na Rock Academy, um instituto de música novo na cidade de Tilburg, que tinha o objetivo de ajudar a desenvolver os talentos musicais das pessoas da região (alguns alunos da primeira turma incluíam membros da banda Krezip e o rapper Cilvaringz, que, de alguma maneira, trabalhou com o Wu-Tang Clan). “Todo mundo se matriculou, mas havia apenas 40 ou 50 vagas e, por isso, a concorrência era grande”, conta Floor. “Mas eu consegui entrar. O lado ruim era que não havia muita estrutura, então acabamos servindo como cobaias de teste. Eu não aprendi muita coisa lá.” Ela já tinha outros planos em mente. Na época, ela já era membro do After Forever, que fez parte da primeira onda de bandas de metal sinfônico a surgirem nos anos 90. Ela entrou para a banda alguns anos antes, quando tinha 16 anos. Um ambiente dominado por homens, no das bandas de metal nos anos 90, talvez fosse um tanto intimidante para uma adolescente sem experiência nenhuma na indústria fonográfica. Mas Floor diz o contrário. “Achei que foi algo tranquilo”, afirma ela, dando de ombros. “Sempre me considerei parte do clube do bolinha, mas sem ser masculinizada. Ser alta e não me ofender com facilidade foram coisas que ajudaram a me adaptar sem ter de aceitar certas coisas tão facilmente. Não cheguei a me identificar com o movimento da hashtag #metoo, principalmente porque eu tinha 1,83 de altura e falava o que pensava o tempo todo.” O After Forever teve uma boa careira. Eles conseguiram desenvolver uma fanbase na Europa, mesmo sem serem tão grandes como o Nightwish. Mas, no final da carreira, em 2009, a ficha caiu para Floor. “Sofri muito bullying durante bastante tempo" Sofrendo preconceito na escola, Floor encontrou um refúgio no canto e na música. Para Floor, a sensação que veio com o fim do After Forever foi a de “uma punhalada nas costas.” Floor forma o ReVamp e faz um a pausa em seu projeto com Jorn Viggo. 2010 – O ReVamp lança seu disco de estreia pela nuclear Blast. 2011 – Floor sofre com exaustão causada pela síndrome de Burnout, forçando o ReVamp a cancelar diversos shows. 2012 – Floor recebe o convite para substituir Anette Olzon no Nightwish e faz seu primeiro show com a banda no Showbox, em Seattle, no dia 1 de Outubro. 2013 – Floor é oficialmente anunciada como a nova vocalista do Nightwish e realiza duetos com Tarja Turunen no Belgium Festival. 2015 – O Nightwish lança o disco Endless Forms Most Beautiful, o primeiro disco da banda com Floor nos vocais. 2016 – O ReVamp anuncia seu fim. O Nightwish inicia sua pausa de um ano. 2017 – Floor dá à luz sua primeira filha, Freja, e, meses depois, lança um single com Tarja em prol de uma campanha de caridade para ajudar a ilha de Barbuda, arrasada por um furacão na época. 2018 – O Nightwish se reúne para o lançamento da compilação dos melhores hits da banda, o disco Decades, e sua turnê. “Não tínhamos mais química”, diz Floor. “Fizemos uma pausa para ver se conseguiríamos definir algumas coisas e mudar outras, mas, infelizmente, eu era a única da banda que tinha essa mentalidade. Para mim, foi como uma punhalada nas costas.” Os problemas enfrentados por Floor pioraram ainda mais com a crise financeira que surgiu. Ela conseguiu equilibrar as contas dando aulas em masterclasses e fazendo participações em alguns de tributo à banda. Mas, do nada, o trabalho extra deixou de surgir. “Eu estava perto dos 30 anos e sabia o esforço que seria necessário para montar uma banda do nada”, revela ela. “Eu pensei: ‘ É isso que eu quero fazer novamente? Mudar todo na minha carreira e cantar um tipo diferente de música?’ Foi um período difícil.” Ela se preparou e se dedicou a uma nova banda, o ReVamp, lançando seu álbum autointitulado em 2010. “Eu queria produzir algo mais pesado do que antes, algo sem um objetivo definido”, diz ela. “E, aí, eu sofri uma crise de burnout.” “Burnout” é o termo utilizado pelos holandeses para descrever uma condição física e mental que consistem na combinação de stress, sobrecarga de trabalho, exaustão e outros sintomas semelhantes. É um quadro clínico entre a exaustão nervosa e a depressão clínica, e é um problema grave na Holanda. De acordo com dados coletados em 2016, uma em 17 pessoas sofrem de burnout. “Seus níveis de stress ficam altos, mudando todo o equilíbrio hormonal do seu corpo”, conta Floor. “O seu corpo produz adrenalina o dia inteiro, fazendo você ter altos e baixos normais. No caso do burnout, não há mais os momentos ‘baixos’. Seu corpo só produz os pontos ‘altos’ e você não relaxa como precisa. E ninguém consegue manter esse nível de atividade, o que leva a pessoa a ficar constantemente exausta. Isso causa uma série de coisas na sua vida.” Para Floor, os sintomas foram debilitantes. Ela sofreu com infecções na garganta constantemente, mesmo nunca tendo sofrido com isto antes. Ela perdeu a capacidade de fôlego e tinha dificuldade de respirar quando subia escadas. “Eu ficava tão cansada, que perdi a vontade de viver”, conta ela. “Fiz exames e a minha frequência cardíaca, meus pulmões, tudo parecia estar bem. Mas era evidente que tinha alguma coisa errada. Eu tinha uma aparência péssima e me sentia péssima.” Segundo ela, esta foi a única vez em sua vida que quase desistiu da carreira musical. “Eu odiava tudo”, revela Floor. “Eu detestava estar ali. Não queria ouvir nada e não queria cantar nada. Eu tinha um colapso toda vez que tentava, mas eu era cabeça dura demais para desistir.” Ao invés disso, ela diminuiu a carga de trabalho com o ReVamp e passou a dar alguma aulas. A banda havia começado a trabalhar em um segundo disco pouco antes da crise, mas Floor usou o período de trabalho como forma de se recuperar. Aos poucos, ela começou a se sentir melhor outra vez e estava recuperando a confiança em si mesma. Naquela altura, ela se preparava dar o próximo passo com o ReVamp. Foi neste momento que Floor recebeu uma ligação que mudaria sua vida. A primeira vez em que Floor subiu ao palco com o Nightwish foi no Showbox, em Seattle, no dia 1 de outubro de 2012. A nova vocalista da banda, Anette Olzon, havia saído repentinamente dois dias antes, no meio da turnê. Ao contrário da situação de gravidez de Floor, Anette afirmou, mais tarde, que foi demitida por ter revelado à banda que estava grávida, mas a banda negou esta declaração. Floor recebeu a ligação que mudaria tudo durante o casamento de sua irmã. Ela conhecia Tuomas e os membros do Nightwish após uma turnê do After Forever com o Nightish quase dez anos antes. Ela, inclusive, estava familiarizada com as músicas da banda, mas não a ponto de não precisar treinar na viagem rumo ao show. “Quando me pediram para ir até lá, eu disse ‘Claro que vou”, revela Floor. “Fiquei me gabando? Não. Bom, só um pouco. É preciso largar um pouco da modéstia para dizer: ‘Sim, eu quero ser parte de uma das maiores bandas de metal sinfônico e não, não decorei todo o setlist ainda.’” Ela chegou e encontrou todos da banda em “modo sobrevivência”. A prioridade era simplesmente terminar a turnê e não havia dúvidas de que este seria o teste para o cargo de nova vocalista. “Sem dúvida alguma”, conta ela. “Naquela altura, a questão era: ‘Como vou dar conta do recado?’ Eu não pensei: ‘Agora, sou a nova vocalista do Nightwish.’ Não pensei isso. Gostei do convite que eles fizeram quando poderiam ter chamado tantas outras pessoas. Mas não era um bom momento. Eles não estavam se sentindo muito contentes com toda a situação.” O convite para se juntar ao Nightwish em tempo integral veio 10 meses depois. A conversa ocorreu em um hotel bar após uma participação em um festival na cidade finlandesa de Tampere. “Eu disse ‘Sim’, depois ri, chorei... Mas não pude contar nada a ninguém”, conta Floor. “Não foi sequer uma conversa com toda a banda. Eu tive que fingir que conversamos só sobre o setlist dos próximos shows ou coisa assim.” OUR DECADES IN THE SUN 1981 – Nascida na cidade de Goirle, na Holanda, no dia 21 de fevereiro. 1995 – Cantou no musical Joseph And The Amazing Technicolor Dreamcoat, de Andew Lloyd Webber. 1997 – Junta-se à banda holandesa de metal sinfônico After Forever aos 16 anos. 1999 – Matricula-se no novo instituto de música holandês, o Rock Academy, ao lado de membros da banda Krezip e o futuro parceiro de composições do Wu-Tang Clan, Cilvaringz. 2000 – Canta junto de Sharon den Adel, do Within Temptation, no álbum de estreia do After Forever, o Prison of Desire. Ela também participa do disco Universal Migrator Part 1: The Dream Sequencer, da banda de metal progressivo Ayreon. 2002 – Estuda teatro musical e canto operático no Conservatório de Tilburg, na Holanda. O After Forever participa da turnê do Nightwish pela Europa como banda de abertura. 2008 – O After Forever tira um ano sabático. Floor participa de um projeto paralelo de classic rock com Jorn Viggo Lofstad, guitarrista do Pagan’s Mind. 2009 – Membros do After Forever se separam por diferenças pessoais. “Eu ficava tão casada, que perdi a vontade de viver” Floor sofreu uma crise de burnout durante o período em que esteve no ReVamp. Floor não tem tempo para besteiras. “Quem aí quer assar um marshmallow?” Ela desmente os boatos de que entrar para o Nightwish teria sido sua última tentativa de alcançar maior sucesso comercial. “O ReVamp ainda existia naquela época”, relembra ela. “E eu sou muito determinada para me render ao pensamento de ‘Dane-se isto’. Ainda não era o fim daquele projeto.” Ela lembra ter recebido um e-mail de Anette Olzon, quando o anúncio de sua entrada no Nightwish foi divulgada. “Ela me enviou um e-mail desejando boa sorte. Foi bonito da parte dela.” A relação de Floor com Anette e, especialmente, com a vocalista original, Tarja, é diferente de como os membros da banda as veem. Em novembro de 2013, no festival Metal Femal Voices, na Bélgica, ela e Tarja fizeram um dueto ao cantarem um clássico de Gary Moore dos anos 80, Over the Hills and Far Away (que conta com uma versão feita pelo Nightwish em 2001). No final de 2017, as duas se juntaram novamente para cantar uma versão em espanhol da música natalina Feliz Navidad. Ela afirma que as duas sempre se deram bem, mesmo quando Tarja foi expulsa da banda em 2005. Será que elas evitam tocar em certos assuntos quando se encontram? “Não”, diz ela após uma pausa. E será que elas falam sobre experiências pessoais com o Nightwish? “Na verdade, falamos, sim. Mas o que não quero é que as questões deles interfiram na nossa amizade. O que aconteceu com ela e os membros da banda fica entre eles, não comigo. Eu deixo esse assunto com eles.” “Eu era teimosa demais para desistir da minha carreira musical.” Mesmo nos momentos mais difíceis, Floor estava determinada a seguir adiante com sua carreira. O novo disco de melhores hits, Decades, marca, oficialmente, o fim da pausa de um ano. A compilação com dois CDs organiza as músicas da banda em ordem cronológica e cobre três épocas diferentes da banda (ou quatro se levarmos em consideração a grande mudança entre os terceiro e quatro discos, que contaram com os vocais de Tarja, o Wishmaster e o Century Child). Para Floor, é uma comemoração de sua estadia na banda, mas, também, de sua importância em uma história ainda maior. Ela diz que houve conversas sobre regravarem algumas músicas mais antigas, mas que a ideia foi rapidamente descartada. “Seria necessário tirar algum tempo para mudar as melodias. Isso seria como...”, ela faz uma pausa, como se para buscar uma analogia. “...Reescrever a história da Inglaterra, substituindo a Rainha Elizabeth e pondo sua irmã, Margaret, em seu lugar. São músicas que já foram lançadas. E seria algo um pouco desrespeitoso da minha parte. São músicas que fazem parte da história do Nightwish, quase que como parte de um legado.” Há planos para um novo disco, segundo ela, ainda que a maioria desses planos esteja na cabeça de Tuomas por enquanto. “Ele tem um talento natural para isso. Ele vai compor tudo e sei que, pelas conversas que tivemos por e-mail e por telefone, que ele está juntando algumas idéias. Mas ainda não temos nada gravado. Começar uma turnê como a do Decades (que incluem shows no festival Bloodstock, em agosto, por exemplo) é o nosso foco do momento. 2019 será um ano bom para o álbum novo, mas vamos lidar com outras coisas primeiro.” As tentativas do metal sinfônico de conquistar a igualdade de gêneros não têm tanta força no processo de composição do Nightwish, que costuma ficar nas mãos de Tuomas. Floor diz que isto se deve ao fato de que a banda reflete a visão musical de uma única pessoa ao invés de puro machismo. “Se eu pudesse acrescentar algo ao que criamos, tenho certeza de que Tuomas estaria disposto a ouvir”, afirma ela. “Mas, pela maneira com que ele compõe, isto não é muito necessário. Ele é muito bom no que faz. E o som que ele cria é o som que define o Nightwish.” Ela parece bem confortável com a ideia de como a banda funciona. Se não estivesse, a banda certamente seria a primeira a saber. Não se chega longe como Floor chegou cercando-se de idiotas e gente sem talento. Floor Jansen pode não querer assumir o manto de modelo para mulheres que busquem a carreira musical, mas algumas ações falam mais do que palavras. DECADES (BEST OF 1996-2016) SERÁ LANÇADO NO DIA 9 DE MARÇO DE 2018 PELA NUCLEAR BLAST. O NIGHTWISH SERÁ ATRAÇÃO PRINCIPAL DO FESTIVAL BLOODSTOCK, NO DOMINGO, DIA 12 DE AGOSTO DE 2018. NOVOS CAMINHOS Floor explica o que os fãs podem esperar de seu novo projeto paralelo de classic rock, o Northwards. Enquanto Floor Jansen mostra seus planos de se dedicar ao Nightwish no início de 2018, ela revela que esta não é a única coisa que fará entre um show e outro. A cantora pretende lançar um disco com seu novo projeto paralelo, o Northwards, em algum momento deste ano. Com a participação de Jord Viggo Lofstad, guitarrista da banda norueguesa de metal progressivo Pagan’s Mind, as origens do Northwards estão no ano de 2008, quando Floor ainda era vocalista do After Forever. “A banda tirou um ano sabático, e nós compusemos várias músicas juntos”, revela Floor. “Começamos a gravar, mas acabei adianto tudo, pois o After Forever havia acabado e eu criei o ReVamp.” Quando o Nightwish fez sua pausa de um ano, em 2017, Floor decidiu dar continuidade à ideia ao lado de Jorn Viggo. “Nós pensamos: ‘Por que não terminamos aquele disco?’ Decidimos ouvir as músicas antigas e caramba, como ficamos felizes com o que produzimos.” Floor diz que o disco, que deve ser lançado no final o ano, após o Decades, do Nightwish, será algo diferente do metal sinfônico de sua banda principal. Ao invés disso, ele seguirá por um caminho musical mais próximo ao classic rock. “Há uma música com um clima mais parecido com o Deep Purple, e outra que tem uma pega mais próxima do que Robert Plant cantaria, além de outra que tem uma sonoridade mais próxima do material do Halestorm”, revela Floor. “Não é um disco solo, mas algo com uma mentalidade de ‘É isto o que eu consigo cantar.’ É minha chance de experimentar algo novo.”
  8. Perguntas do dia 18 de setembro Via Fórum Nightwish | Tradução: Head up High 1: Quando você bate cabeça, você costuma sentir uma tontura logo em seguida? Se sim, isso atrapalha na hora de cantar? Floor: Para mim, cantar é mais importante do que fazer qualquer outra coisa. É claro que andar pelo palco é o que torna aquilo em um show, mas nada disso pode interferir na hora de cantar. Eu não sinto nenhuma tontura ao bater cabeça, mas, às vezes, quando a temperatura está muito alta, eu sinto um pouco atordoada, como quando a gente se levanta muito rapidamente. O importante é manter a respiração sob controle independente do que eu faça, incluindo o bate-cabeça. 2: Gostaria de saber se foi muito difícil começar a cantar, pois deve ser um tanto complicado ser o seu próprio instrumento. Você tem algum conselho para os músicos iniciantes? Floor: Por que começar a cantar seria difícil? Talvez se torne algo maior quando você cria ambições (e expectativas) quanto a isso. Ainda assim, eu me pergunto o que aconteceu com cantar simplesmente por cantar, sabe? Foi o que eu fiz, basicamente. ☺ Eu gostava de cantar e queria fazer essa atividade cada vez mais depois que me apeguei a ela. Pouco tempo depois, eu quis ir além e aprendi que, se você for bom o suficiente e quisesse dedicar sua vida a isso, você poderia estudar em um conservatório. Eu era nova e tudo o que eu poderia fazer era seguir o meu coração, e foi isso que fiz. Então, começar a cantar nunca foi algo difícil! São as expectativas que você ou terceiros tem com relação a você que podem ser difíceis de lidar. Apesar de tudo isso, eu acredito de coração que cantar é algo que deva ser divertido para quem o faz. Independente das ambições e do talento, a regra é: divertir-se antes de mais nada! 3: Achei os vlogs sobre a sua mudança para a Finlândia e sobre o progresso no aprendizado da língua finlandesa muito interessantes. Como alguém que também é holandês e pretende aprender finlandês um dia, você teria algum conselho para dar? Floor: Finlandês é uma das línguas mais difíceis do mundo. Pode até soar meio exagerado, mas é a verdade. Não se escolhe uma palavra aqui e ali ou baixa-se um app no seu celular, pois isso não vai te levar muito além de aprender a dizer kiitos ("obrigado"). ☺ Finlandês não é como as outras línguas e o finlandês escrito (a variação oficial) é utilizado apenas por autoridades governamentais e jornais. A diferença entre o finlandês escrito e o falado é imensa, pra não citar os vários dialetos que fazem com que você tenha dúvidas até mesmo com relação àqueles que você imaginava entender um pouquinho. No entanto, não é nada impossível. Na minha opinião, acho que só há um progresso palpável quando a gente se muda pra lá e vive a língua 24/7. Eu me mudei e esse foi um bom começo, apesar de me frustrar um pouquinho aqui e ali por ainda não ser ter um nível de linguagem superior ao de uma criança mesmo após um ano e meio estudando (em outro país, deixando claro). Mas aí eu conheci a pessoa que seria o meu referencial da língua sueca. É difícil aprender uma língua como essa quando não a falamos no nosso país natal e é ainda mais difícil quando outra língua entra no meio da bagunça toda. Mas, se é isso o que você deseja, vá para a Finlândia! Absorva a língua, o povo, a cultura, esteja lá, viva lá. Eu amei essa experiência! Mudar-se do seu país natal para morar em outro país é algo assustador, mas foi algo que abriu os meus olhos e se tornou uma das melhores decisões que eu já tomei! Hoje, moro na Suécia, pois não conseguiria mais deixar "o norte". Para mim, foi amor à primeira vista. 4: Você gosta das "mitologias" de outras culturas? Se sim, há alguma em particular que seja a sua favorita? Floor: Recentemente, eu fui apresentada à mitologia nórdica e às histórias incríveis de como a Terra foi criada (de acordo com a mitologia, é claro), de qual divindade fez isso ou aquilo e de conflitos e emoções típicos da raça humana, assim como qualquer divindade em qualquer mitologia. Eu sempre me perguntei quem decidia se um livro em particular faria parte ou não da mitologia (sugerindo que fosse um mito e não algo verdadeiro) e outro livro diria a verdade sobre as coisas (a Bíblia, o Alcorão etc.). Para mim, todas envolvem ótimas histórias com aprendizados sobre o que é certo e o que é errado. Eu mesma adoro me perder em estórias nessa linha mais fantástica, então essa parte de mitologia é bem a minha praia. Elas apresentam um conhecimento muito maior sobre os seus países de origem, o que é algo que eu gosto muito. 5: O documentário feito por fãs mudou a sua visão de mundo sobre o seu papel e a sua contribuição cultural e social? Floor: Ele não mudou a minha visão das coisas, mas talvez tenha tornado algumas coisas mais claras. Já o meu papel é visto de diferentes maneiras por cada pessoa. O amor pelo Nightwish que cada um sente é diferente, também. A minha contribuição, por sua vez, é absorvida e interpretada de maneiras diferentes por cada um, o que também se tornou claro para mim e que é algo muito bonito. Eu só posso ser eu mesma e, no entanto, se eu me torno algo mais do que isto, está tudo nos olhos de quem vê. 6: Qual é o seu alcance vocal? Floor: Quando eu comecei a cantar, eu tinha um alcance de 3 oitavas. Os tons mais graves eram o meu maior problema e não o contrário. Como o céu parecia ser o limite, eu passei a experimentar tons cada vez mais altos e estridentes. ☺ No entanto, cantar em diferentes estilos e usando tipos variados de dinâmicas nunca me vieram à mente até que eu comecei a estudar e explorar as minhas capacidades. Cantar em tons mais graves? Por quê? ☺ Era isso o que eu pensava até encontrar o meu registro mais grave e forte, e aprendi a explorá-lo também. Agora, canto mais forte ou até grunhir? Eu não fazia ideia do que seja isso, pois não era algo natural para mim até que eu comecei a cantar ao vivo no After Forever. Eu não fazia ideia do que era isso até que eu fiz ao vivo, mas não consegui fazer fora do palco. Na época, eu encontrei um novo método vocal criado pela Catherine Sadolin, da Dinamarca, chamado "Técnica Vocal Completa". Tudo isso aconteceu depois que eu me formei e esse foi o primeiro método vocal que fez sentido de verdade para mim, incluindo as explicações e exercícios de canto distorcido e grunhido (além de vários outros efeitos de que a voz humana é capaz, basicamente). Ótimo, agora eu sabia fazer essas coisas e adorava técnicas vocais. Eu me considerava toda CDF quando o assunto era esse e foi então que um novo desafio surgiu. Eu passei a sentir e logo encontrei o ponto principal das minhas contas vocais. Então, qual é o meu alcance vocal hoje em dia? 4 oitavas. Mas o que isso diz sobre a minha viz? Nada, pois não é uma garantia de qualidade. ☺ 7: Você provavelmente recebe vários presentes de fãs do mundo todo. Quais tipos de presentes você recebe e quais foram os mais estranhos, os mais bonitos etc? Floor: Nós recebemos muitos presentes muito bacanas, mesmo. Todos eles costumam ter um toque pessoal, são feitos a mão e, geralmente, vêm do país que estamos visitando naquele momento. Isso é algo que torna cada um desses presentes muito especiais e eu nunca escolheria um como favorito. Algumas pessoas me dão presentes no impulso e acabam dando algo que elas vestem ou usam naquele momento. Uma joia, peça de roupa ou algo do tipo. Algumas crianças passam horas e horas desenhando algo que o pai ou a mãe, orgulhosos, vêm me entregar junto da criança toda tímida. Alguns adultos fazem o mesmo, com essa criança tímida interior, quando me entregam algum presente feito à mão. A pergunta certa é o que é que não é estranho e, ao mesmo tempo, absolutamente lindo em todos eles? Eu sou muitíssimo grata por todo o carinho que recebo! 8: Por que vocês diminuem um tom nas música pré-Century Child (como "She is my Sin")? Floor: Todas as músicas mais antigas são tocadas um tom abaixo por terem todas sido gravadas em E, ao passo que o material mais recente é gravado em D. Tudo isso é feito a fim de evitar a necessidade de guitarras e baixos extras em ambas as passagens e mudanças nas partes do teclado quando tocamos as músicas antigas. 9: Quais são as suas marcas ou produtos de beleza preferidos? Floor: Qualquer marca que não teste seus produtos em animais. Eu não tenho nenhuma que seja a minha favorita, pois gosto de qualquer uma que fique bem e não saia com facilidade já que fico batendo cabeça durante o show inteiro e o calor corporal durante é grande. Gosto de maquiagem, não não uso o tempo todo. Descobri que o meu rosto "nu" também é lindo e que não precisa e nada nele foi algo libertador. Todas nós somos lindas sem maquiagem! É claro que é divertido usar esses produtos, mas é errado dizer que uma mulher só é bonita com maquiagem... 10: Você tem algum(a) designer de moda ou loja preferida? Você se inspira em outras coisas para produzir as suas peças de roupa personalizadas? Floor: Não tenho favoritos ou favoritas. Acho que moda é um conceito cansativo que muda muito rapidamente. Os jovens se sentem forçados a se encaixar em um padrão irreal, especialmente as meninas que são doutrinadas a acharem isso normal. Ser magra, vestir isso, fazer uma maquiagem daquele jeito e arrumar o cabelo assim... pff... imagens editadas de mulheres que passam suas vidas inteiras se dedicando a serem bonitas transmitem toda sorte de mensagens que não tem nada a ver com um par de calças ou uma camiseta bonitinha. Então, a moda deve ser tudo o que agrada a VOCÊ. ☺ Quanto ao meu figurino de palco: preciso que me sirva bem e se encaixe bem no meu corpo, com seus prós e contras. Preciso, também, que seja confortável o suficiente para que eu possa andar pelo palco, respirar direito, além de ser feminino e ter uma aparência geral legal. Pode ter a cor que for ou ser feito do tecido que seja, e pode mudar bastante com o passar dos anos. ☺ 11: Você recebeu algum conselho que guardou e que a ajudou muito? Floor: Os meus queridos pais me deram vários conselhos que guardo com muito carinho e sou muito grata por toda a orientação que recebi deles. O rapaz que fez a mixagem do segundo álbum do After Forever, Oscar Holleman, me deu um conselho que eu nunca vou me esquecer, também. Ele me disse que só olhamos como seres humanos e espíritos criativos se trabalharmos com as pessoas certas. Precisamos nos cercar dessas pessoas para termos uma rede de segurança enquanto seguimos pela vida. Quando nos sentimos seguros, nos mantemos abertos, frágeis, verdadeiros, nus. Quando nos sentimos seguros, conseguimos ser artistas para sempre. Sem isso, nós simplesmente brilhamos e apagamos. Como eu sabia que isso era verdade, eu consegui me encontrar um pouco depois, após encontrar a minha "rede de segurança" de pessoas incríveis que eu amo e em quem confio. Eu nunca me esquecerei dessa metáfora. Ele tinha toda a razão! 12: Você gostaria de escrever um livro sobre si mesma um dia? Se sim, do que ele trataria? Floor: Essa é uma boa pergunta. ☺ Eu adoraria escrever um livro assim e sempre tive a ideia de fazê-lo. Amo ler e sempre admirei um livro bem escrito. Vejo isso como uma arte incrível que não conheço muito bem, mas pela qual me interesso. Talvez um dia eu escreva um livro de literatura fantástica, pois tenho uma imaginação bem fértil, haha. Eu também gosto da ideia de escrever uma biografia, mas vou analisar melhor a ideia quando estiver na minha cadeira-de-balanço, aos 85 anos quando tiver bastantes histórias pra contar. 13: Você já trocou de lugar com a sua irmã por conta de algo? Vocês se parecem muito. Floor: De longe, eu e a Irene nos parecemos muito, mesmo. Mas, se você olhar melhor, verá várias diferenças, também, então nunca fizemos algo do tipo. Temos personalidades muito diferentes e você saberia quem é quem mesmo sem nos ver. Você já reparou que eu tenho olhos azuis e a Irene, marrons? Ou que ela é mais alta que eu? Que o meu cabelo é uns 25 cm maior e que o dela é um pouco cacheado? Ah, e ele tem uma cor completamente diferente também. ☺ As nossas vozes também são semelhantes, assim como a nossa aparência. Elas soam bem quando juntas, então é bem divertido cantar com ela! 14: Quando você não está em turnê, você faz uma pausa no canto ou continua sempre praticando? Floor: Cantar não é bem algo que eu faça, é mais parte do que eu sou. É parte de mim quando eu respiro, quando como, quando saio. ☺ Pratico às vezes, mas, na maioria das vezes, simplesmente canto por diversão e por precisar, assim como o ato de respirar. 15: Você assume mais desafios como cantora do que gostaria ou não? Floor: Eu não defini nenhum objetivo, mas acredito estar sempre aprendendo, crescendo e mudando conforme envelheço. A minha ambição mesmo é seguir assim e ser capaz de cantar até o fim da vida. 16: Quanto por cento de uma boa performance são reflexo de talento e quanto são reflexo de prática? Floor: Não existe uma resposta absoluta. É puramente uma questão de percepção. Uma pessoa extremamente talentosa não precisa de treino, mas a experiência fará um show bom se tornar simplesmente sensacional. Se a pessoa tem menos talento, mais prática ajudará essa pessoa. Mas prática sem talento não faz de ninguém um bom musicista. 17: Será que você tocaria a sua flauta num futuro show? Talvez num dueto com o Troy? Floor: O Troy toca tantos instrumentos com um talento tão incrível que eu não vejo o porquê de eu me juntar a ele para tocar flauta só por saber fazê-lo. 18: De quais coisas da Holanda você sente mais falta agora que mora fora do seu país natal? Floor: Coisa da Holanda? Bom, não sinto falta de coisas, mas de pessoas. Sinto falta da minha família, do meu cachorro e, às vezes, gostaria até que os países fossem do tamanho da Holanda, pois, lá, não se percorre longas distâncias para chegar a lugar nenhum. Por outro lado, o tráfego de 17 milhões de carros num país tão pequeno é algo de que nunca sentirei falta. O bom da Suécia (e da Finlândia) são essas estradas largas e tráfego pequeno (e os motoristas cuidadosos!). 19: Recentemente, eu passei a ter aulas de canto clássico e estou adorando, mas tenho receio de que eu acabe tentando cantar tudo seguindo essa linha mais clássica. Qual conselho você daria para que uma pessoa conseguisse adquirir essa flexibilidade para mudar a voz de acordo com diferentes gêneros musicais? Floor: Recomendo encontrar um professor que tenha estudado a "técnica vocal completa". É o único método vocal que eu acredito ser realmente bom em termos de ensino mais diversificado de canto. E experimente por conta própria. É a SUA voz e você não descobrirá nada se não sair da zona de conforto. ☺ 20: Qual é a pior piada com o seu nome que você já ouviu? Floor: Elas costumam ser meio que as mesmas já que há apenas dois significados em inglês (Floor - andar e Floor - tipo de piso, chão). Eu me lembro de uma ocasião nos EUA, quando eu fiz o check-in em um hotel e a moça da recepção levantou uma sobrancelha, perguntando: "Floor? Esse é MESMO o seu nome?". Eu respondi que sim e, logo em seguida, percebi a piada de nível internacional que era o meu nome. ☺ Ela sorriu e disse: "Floor... eu vou guardar esse nome." Nada demais, mas o jeito que ela disse e o jeito que ela me olhou foram hilários. Então, é só um nome holandês. Nada demais. Há muitos nomes que só são comuns em seus países de origem e eu gosto disso. Ter um nome típico de onde você vem tem um charme único. Ainda mais agora que viajo com tanta frequência e moro em outro país, essas coisas têm outro significado pra mim. É algo que te torna único. 21: Estou estudando para cuidar de animais, que é um trabalho que exige uma boa forma física. Você é um ótimo exemplo de pessoa saudável, então as perguntas são: como você trabalha os seus músculos? Você se exercita regularmente ou tende a fazê-lo quando sente vontade? Dicas de exercício também são bem vindas! Floor: Todos precisam de um corpo saudável e todo precisam mantê-lo saudável de um jeito ou de outro. Isso não significa que eu acredite que todos devemos parecer o Arnold Schwarzenegger. ☺ O que eu quero dizer é que esse tipo de atividade melhora a sua saúde, dá mais energia, aumenta a sua resistência física e imunológica, além de garantir o envelhecimento com menos complicações. Agora, é divertido? Para alguns, sim. Eu gosto! Mas é um fato inegável que a sensação de bem estar fica mais forte. Comer bem, ter uma rotina de exercícios e dormir bem são a chave de tudo. Sair um pouco disso e comer algo pesado ou beber um pouco mais também não fazem tão mal, pois farão os momentos de exercício mais fáceis de lidar. Além disso, todo mundo precisa da sua cota de diversão. Eu não sou capaz de dizer o que funciona pra você ou não. Vá a uma academia e descubra. Ter uma boa orientação ajuda a prevenir lesões causadas por exercícios ou prática de esportes. Eu tenho um app no meu celular para um programa de treino variado. Ele se chama "Nike Training". Para mim, é importante poder me exercitar em qualquer lugar. Também gosto de praticar ioga e fazer caminhadas na floresta. ☺ Eu costumava correr, mas descobri que não tenho aptidão física para isso, além de ter muita coisa pra fazer. Boa sorte a quem se dedica a isso! Lembrem-se: é melhor treinar 10 minutos todo dia do que duas horas por semana! 22: Você já pensou em vender algum figurino, como aquela jaqueta que você usou no Wembley? Ela é tão bonita! Eu pagaria o que fosse para ter uma jaqueta como aquela (tudo bem que sou estudando e não tenho tanto dinheiro haha). Floor: Na verdade, sim. Já pensei em vender alguns figurinos e acessórios "antigos" para angariar fundos para alguma boa causa. Preciso de tempo para organizar tudo isso e encontrar alguma causa em particular para apoiar, pois há muitas que precisam de atenção. Talvez até apoie várias ao mesmo tempo. Orçamento é algo que eu gostaria de levar em conta. ☺ Alguma sugestão de causa que precise de apoio? 23: Há algum aspecto em especial da ciência de que você goste? Floor: O que mais me fascina é que a ciência está ao nosso redor o tempo todo. Ela é parte integrante do nosso cotidiano e vê-la, percebê-la e entendê-la foi incrível. Eu meio que não dava bola. Isso e o fato de que ela está sempre em desenvolvimento. Todos os dias, mentes ao redor do mundo descobrem algo novo e incrível, e os cientistas são as pessoas que levam essas notícias ao resto do mundo. Nós descobrimos como melhorar isso, uma cura para aquilo e por aí vai. Eu só gostaria que os noticiários divulgassem mais esses "milagres". Seria uma mudança renovadora no meio midiático que insiste em discutir as falhas do ser humano como guerras, crime etc. 24: O que exatamente acontece em "The Greatest Show On Earth" quando você canta o trecho "The cosmic law of gravity..."? Costumamos vê-la tão cheia de energia no palco que ficamos surpresos ao vê-la quieta ao cantar essa parte ao vivo. Floor: haha Bom... eu uso uma voz monótona, quase robótica. Não sou "eu". É a voz do cosmos. Visualizando isso, eu me sentiria deslocada correndo pelo palco, fazendo contato visual com a banda e com os fãs. Você sentiu alguma energia negativa de algum membro do Nightwish após aquele dueto com a Tarja? Floor: Não. E a única razão pela qual eu respondo a essa pergunta é que todos os os envolvidos estão de saco cheio dessa besteira infantil que persiste sobre a banda e a Tarja. A banda desejou tudo de bom a mim e a Tarja, como qualquer pessoa adulta faria. 26: Parece que o debate sobre vocalistas não deixará de existir tão cedo. Você espera que isso acabe logo ou simplesmente aprendeu a lidar com isso? Floor: Nós aprendemos a lidar com isso, porque todos têm direito às suas opiniões e aos seus sentimentos a respeito do assunto. Ainda assim, a internet se tornou um lugar bem chato por causa disso. Já seguimos em frente, pois isso já faz tantos anos. Por que continuar gastando saliva com isso? Parem com isso, deixem de dar atenção a quem insiste nisso, respirem fundo (de novo) e se juntem a nós no aqui e agora. 27: Quantas placas de "Cuidado! Chão molhado" ("Caution! Wet floor") você tem? Você tinha uma em chinês? Floor: haha, várias, mas nenhuma em chinês. Talvez eu consiga uma da próxima vez. ☺ 28: Chá ou café? Floor: Café de manhã e chá à tarde e à noite. 29: Você costuma estar mais bem humorada de manhã ou à noite? Floor: De manhã... 30: Comida apimentada ou doce? Floor: Apimentada. 31: Você costuma planejar muito ou é mais espontânea? Floor: Costumo planejar bastante. 32: No inverno, você prefere ir esquiar ou ficar em casa lendo? Floor: Gosto de ambos. 33: Cães ou gatos? Floor: Cães, mas, se não tiver de escolher, ficaria com os dois. ☺ 34: Sapatos com ou sem saltos? Floor: Sem salto. Eu gostava de usar saltos, mas deixei de lado. Com os meus 1,81 de altura, não preciso de saltos, mas os acho bonitos. Os pés e o corpo, por outro lado, não concordam muito com o uso de saltos. ☺ 35: Qual a sua opinião sobre a barba do Marco? Floor: Ah, essa é uma pergunta importante! haha ☺ Bom, se eu fosse loira e fosse um homem, eu teria MUITA inveja, mas sou mulher. Então, eu passo horas retocando a maquiagem e arrumando o cabelo. Nisso, o Marco aparece, dá uma ajeitada na barba, pega o baixo e já está com tudo pronto para subir no palco todo bonitão! Droga!
  9. Head up High

    Irene Jansen

    I can't wait for this album ... her voice is amazing! As ' Who I Am' in this live, you can see the power between sisters!
  10. Head up High

    Irene Jansen

    ALARION: Waves of Destruction feat Irene Jansen Todos conhecem Floor Jansen do After Forever, ReVamp e, hoje em dia, pela fama no Nightwish. Mas quantos de vocês sabem que sua irmã Irene pode cantar como ela? De fato, as irmãs Jansen já dividiram o mesmo palco quando ambas estavam na banda chamada Star One, em 2002. Irene também pode ser ouvida em Gary Hughes: Once And Future King part I e part II (2003), The Human Equation do Ayreon (2004), e em 2015, ela fez seu papel como Passion na performance ao vivo do The Human Equation: The Theater Equation. Mas quando o guitarrísta Bas Willemsen, líder do Alarion pediu à Irene que fizesse 2 músicas para o seu projeto solo, o primeiro álbum Waves of Destruction, ela estava relutante, já que estava focando somente nos estudos e no trabalho nos últimos 10 anos. Mas após ouvir sobre o projeto, e ter ouvido a música, Irene embarcou e gravou os vocais elétricos e versão acústica de Turn Of Fate. O Indiegogo, campanha crowdfunding para o Waves Of Destruction está sendo executado por um mês e o álbum será lançado em Junho de 2016 através do FREIA Music. Waves Of Destruction contém uma hora de música melódica, sinfônica e intensa. Ocorrerá a participação de muitos músicos excelentes, cantores como Damina Wilson (Threshold), Paul Glandorf (Arjen Lucassen) e claro, Irene Jansen, do qual será a vocalista líder do Alarion na formação ao vivo no show de lançamento no dia 3 de Junho em De Boeederij, Zoetermeer, em The Netherlands com convidado especial End Of The Dream. Embora Waves Of Destruction não seja inteiramente liderado pelo álbum feminino, continua sendo bastante interessante para os fãs de sinfônico e heavy metal, considerando o fato de sua irmã Floor Jansen ser parte disso. Confira no vídeo, os comentários de Irene, liderando os vocais: Tracklist: 01. Chains Of The Collective 02. Waves Of Destruction – I – Rising Tide 03. Waves of Destruction – II – Struggle For Survival 04. Estrangement 05. Turn Of Fate 06. Colourblind 07. Clash With Eternity 08. A Life Less Ordinary 09. The Whistleblower – I – Devastation 10. The Whistleblower – II – Vindication 11. Turn Of Fate (acoustic version) Indiegogo (crowdfund): http://igg.me/at/alarion Fonte: Vixens http://vixensffm.nl/?p=15255 Head up High, my dear Quando pensamos em versatilidade e alcance vocal, sabemos que isso é de família. Não, agora não estamos falando da Floor, mas de sua irmã mais nova, Irene Jansen. Caso você não saiba, as irmãs dividiram os palcos diversas vezes. Desde a performance em Into The Black Hole – Star One à mais marcante e também conhecida performance de Who I Am – After Forever, no ano de 2007. Participou da apresentação de The Power of Love com o Stream of Passion em 2014, e, claro, conhecida pelo seu excelente trabalho no Ayeron, liderado por Arjen Anthony Lucassen e, recentemente, Irene Jansen realizou uma excelente apresentação em The Human Quantion - Ayeron, interpretando da melhor forma possível, a personagem intitulada de Passion, em 2015. Após 10 anos, Irene Jansen nos dá essa “bomba”, sobre o seu retorno em estúdio. O Head up High foi atrás, e o resultado você encontra à seguir: Ω Head up High: Durante esses anos de inatividade (de estúdio, no caso), você mencionou ter focado somente em estudos e trabalho. Dentro deste período ocorreu a maternidade também. Como foi sua forma de pensar para conciliar entre o que ocorre dentro da carreira musical, e a maternidade? Irene: Eu queria muito ter um diploma e uma boa formação. Como eu estava me saindo bem na carreira musical naquela época, uma hora as coisas me pareceram muito difíceis e muito desgastantes de serem feitas ao mesmo tempo e bem. Eu tomei uma decisão racional de me concentrar em apenas uma coisa, pois eu poderia cantar em qualquer momento da minha vida, mas que a hora de estar era aquela. Essa decisão permitiu que eu me concentrasse apenas nos meus estudos e tudo o que envolvia esse universo. Pra falar a verdade, não foi difícil deixar a música um pouco de lado. Eu aproveitei ao máximo a oportunidade de explorar as minhas outras qualidades (em termos acadêmicos, intelectuais e profissionais) e viver a vida como uma universitária normal. Felizmente, eu consegui me formar e construir a minha carreira de maneira sólida, além de construir uma vida junto do meu marido, que esteve comigo e me apoiou nessas decisões todas desde o começo. Head up High: Hoje em dia é muito comum as bandas serem lideradas por mulheres. Um artista precisa constantemente se reinventar para permanecer dentro do que é considerado inovador. A partir da sua união ao Alarion, quais elementos você trouxe para que o álbum Waves of Destruction se destaque dos demais? Irene: Sou conhecida pelo meu canto intenso, que é o meu ponto forte. No entanto, ainda sou capaz de fazer mais do que isso, pois consigo cantar em tons mais delicados e suaves também (ou até mesmo mais voltados pro jazz ou blues) e é por isso, inclusive, que eu gravei uma versão acústica de uma música neste álbum. Head up High: A respeito de sua voz: Poderia nos falar um pouco sobre sua classificação vocal, técnica, alcance e o que você tem feito para manter sua voz protegida? Irene: Eu procuro me aquecer direitinho antes de começar a cantar qualquer coisa, além de me concentrar na respiração. Estas são, basicamente, as técnicas que recomendo. Cantar é algo complexo e eu estaria mentindo se dissesse que sou capaz de ensinar ou explicar os pormenores das técnicas de canto. Mas com certeza estou seguindo na direção certa. Não sei o meu alcance vocal, mas parece que não há muitas barreiras para mim. Para ser honesta, não me importo muito com toda a parte técnica. Acho que cantar é sentir e que é algo que vem de dentro de mim mesma, então não costumo me concentrar muito na teoria por trás de tudo isso. Eu costumo conseguir cantar aquilo que quero cantar e sei que consigo alcançar um Sol Maior (G) com toda voz. Isso é um tom alto, certo? Eu não fiz muita coisa para cuidar da minha voz ao longo dos anos. Me sinto até meio mal quando vejo todas as pessoas no meio musical que tomam extremo cuidado com os seus instrumentos e treinam sem parar, mas eu sinto que não preciso fazer isso. Por outro lado, nunca saberemos do que sou capaz até que tenha treinado e cuidado da minha voz dessa maneira. Head up High: Temos em vista que o "domínio" do metal é, em sua maioria, masculino. Você, mulher, estando envolvida neste universo, sente algum tipo de preconceito ou comportamento do qual te desagrade ou que discrimine? Irene: Bom, essa foi uma surpresa pra mim, mas talvez por ser holandesa. De forma resumida: não. Não vejo isso acontecer. Ω ALARION A última parte do post contendo a entrevista foi movida para o tópico apropriado. E por favor não faça posts duplos. Use o botão "Edit" caso seu último post tenha sido publicado há menos de duas semanas. - GhostHell
  11. Head up High

    World Tour EFMB 2015/2016 pt. ll.

    Hmmm .... thanks
  12. Head up High

    World Tour EFMB 2015/2016 pt. ll.

    I'm so worried with Floor ... Someone has news about her health? /// Sahara: Really, I loved the "new end" in "Elysian fiiiiieeeelds"
  13. Durante sua estadia no Canadá para o show em Montreal, Quebec, o Yell! Magazine realizou uma entrevista em vídeo com Floor. A tradução você encontra após o vídeo: Ω Vinho, queijo e uma ótima conversa “Olá! Aqui é a Floor do Nightwish, e você está colidindo com a YellMagazine. Curta!” YELL: Então, o seu guarda-roupas normalmente é incrível. FLOOR: Obrigado. YELL: Você mesma o desenha? Como você encontra o conceito para o que vai usar? FLOOR: Ah, eu tenho muitas idéias, mas preciso da participação criativa de um designer. Então alguns dos meus visuais foram criados por uma moça muito talentosa da Holanda (apresenta uma certa dificuldade para pronunciar “Netherlands” em inglês) e por duas na Finlândia, então eu tenho uma idéia como, “deveria ser um vestido, ou deveria ser uma roupa de couro, ou que deveria ter tal e tal cores, e tem que ter essa aparência…” Sabe, eu sempre tento achar este equilíbrio entre o feminino e o rock, o que às vezes é quase uma contradição. É uma questão de andar este equilíbrio, sabe, não usar só preto, mas é preciso surgir com um conceito e discutí-lo com pessoas que podem visualizar os fragmentos e conceitos que tenho em mente. YELL: E quando você surge com essas imagens, elas são relacionadas ao álbum da época, à turnê da época, ou…? FLOOR: Sim, eu tento sim, seguir estes temas. YELL: Sim, o vídeo de Elin… Élan… FLOOR: Élan, sim. YELL: O vídeo de Élan tem um conceito lindo, que casa bem com o tema do álbum. Aquele foi o conceito da banda ou foi do diretor? FLOOR: Foi uma combinação, na verdade. É muito o Tuomas, o compositor, que tem uma idéia muito clara da história, e aí vem o diretor, que vem com as idéias. Na verdade foi idéia dele ter estes atores finlandeses de idade, na Finlândia eles são muito famosos, todos sabem quem eles são por lá, foi muito especial conseguir todas estas pessoas. Todos eles quiseram colaborar, e erguer… sabe, viver a vida com muito Élan, como diz a… e há, há uma cooperação muito legal de idéias entre ele e o diretor, e aí as pessoas começam a pensar juntas. As idéias para roupas foram minhas, pois eu queria que houvesse uma diferença criativa entre a banda e as pessoas no vídeo, uma coisa meio anos 50 para combinar com o visual do local em que eu estava e coisas do tipo, e definitivamente é possível para todos dar uma contribuição criativa. YELL: É quase como a versão anos 50 de você fosse as lembranças de uma pessoa mais velha sobre um passado maior. FLOOR: Sim, é exatamente o que tentamos fazer com esses lugares velhos e desgastados com pessoas velhas e desgastadas, e erguer tudo e trazer de volta à vida, sim, era a idéia. YELL: Sim, todos fomos jovens algum dia. FLOOR: Sim (risos). YELL: O interesse é crescente no seu sub-gênero de música, o tipo operático de vocais sobre heavy metal. Foi intimidador pra você tomar frente do Nightwish? FLOOR: Hmm, eu nunca pensei nisso. Eu estive em bandas de metal desde que tinha dezessete anos, no tempo que o Nightwish surgiu isso era novo, mas não é mais só sobre voz operática. Quero dizer, eu uso minha voz operática por talvez um décimo do tempo em que estou cantando, então isso meio que se desenvolveu até um tipo variado de canto, o qual eu pessoalmente acho muito legal de fazer, brincar com isso, e não ficar com apenas um som, porque a música do Nightwish é muito… me desafia a usar diferentes tipos de vocais, então o que eu acho mais desafiador é, sim, cantar desse jeito. E claro que eu tenho ótimas antecessoras que geram grandes expectativas, mas todo o gênero ou sub-gênero como você chamou esteve mais estável, melhor posicionado através dos anos, mais na Europa do que aqui. Mas também está crescendo aqui, então é um ótimo sinal. YELL: Eu amo isso, eu amo a justaposição e o contraste da feminilidade com a parte pesada, e eu amo os elementos folk também… FLOOR: Sim, o Nightwish traz muito disso. YELL: Para quais de suas colegas vocalistas você olha em busca de inspiração? FLOOR: Eu sempre amei a Skin, do Skunk Anansie, eu gosto de vozes mais “rock”. Engraçado, eu não sou muito fã das coisas de ópera. Eu gosto no metal, mas só um pouco. Para mim, ela é uma vocalista muito potente, e eu sempre amei a Anneke van Giesbergen, do The Gathering e uma das fundadoras deste gênero na Holanda, e quando eu a ouvi cantar realmente foi como um daqueles momentos na vida em que você diz “Uau!” Ela tem um tipo de vocais que não é operático… YELL: OK, o que você acha de cantoras como Angela Gossow, do Arch Enemy? FLOOR: É, eu conheço a Alissa, ela é daqui… YELL: Sim, nós acabamos de conversar. FLOOR: (risos) Acho que é fantástico, lembro de, eu conheço a banda há anos, a Angela é meu oposto fisicamente, porque sou alta e ela é essa coisinha pequena e loura, e eu faço “uuuh” e ela meio que “UAAARGH” e eu sempre me perguntei: como ela faz isso? Eu nunca entendi. Eu sou meio que uma nerd vocal, eu amo as técnicas, e eu… é algo que eu não estudei, ainda, mas eu sempre fico curiosa em busca de novos desenvolvimentos dentro dos métodos vocais, e há métodos que são muito bons e descrevem muito bem o que você está fazendo, então eu comecei a tentar e encontrei como fazer. Então eu também comecei a fazer guturais no Endless Forms Most Beautiful. Eu acho muito intrigante, especialmente que tem algo sobre uma mulher fazendo isso. É claro que somos fisicamente diferentes então eu nunca conseguiria ir tão baixo quanto ela. Eu tive um dia incrivelmente doente quando o Arch Enemy estava fazendo turnê conosco na Europa, e ela pode fazer coisas incríveis, eu tenho muito respeito por isso. YELL: Você disse que é uma nerd vocal, eu sei que você deu aulas de técnica vocal, e eu estou bem seguro de que a Angela também. Vocês trocaram dicas, ou…? FLOOR: Não, não foi nada do tipo. Pra ser honesta, eu nem sabia que ela estava dando aulas. YELL: Bem, ela tem um workshop no Youtube… FLOOR: OK, incrível…! YELL: Na frente de uma platéia, então eu imaginei… FLOOR: OK, legal…! YELL: Com o álbum do Nigthwish em suas mãos, você está mais confiante para seguir em frente para outro álbum? FLOOR: Sim, com certeza. Tudo o que fazemos pela primeira vez é mais empolgante, você tem que achar sua forma de trabalhar, felizmente tudo o que fizemos juntos foi bem suave, as experiências foram assim, então… não era a primeira vez em que eu fazia um álbum, mas a primeira vez em que fazíamos um juntos, então foi… eu posso imaginar que da próxima vez será ainda mais fácil do que foi agora, mas também esse processo foi muito natural. YELL: Vocês têm outro álbum sendo trabalhado ou…? FLOOR: Não, não, esse álbum não tem nem um ano de que foi lançado, estivemos fazendo turnê sem pausas. YELL: Quase um ano. FLOOR: Hã? YELL: Quase um ano, é. FLOOR: Sim, sim. Sim, e agora é fevereiro, é, saiu no fim de março, então não, sem notícias de um próximo álbum ainda. YELL: E no ano passado você fez algumas gravações para um DVD, ele já saiu ou é um lançamento a ser esperado? Eu vi a versão tour do álbum, mas há… FLOOR: É, lá tem material ao vivo. Parcialmente, sim, então nós temos isso, e estivemos gravando material em vários shows, em vários lugares do mundo. Há Vancouvers e Méxicos ali, e fizemos nosso primeiro show em um estádio na Finlândia, e tocamos no Wimbley Arena, em Londres, que é um lugar prest… pre… YELL: Prestigiado. FLOOR: É um trava-línguas! É um lugar prestigiado em que se tocar. Todos são bem diferentes uns dos outros, um estádio e um lugar relativamente pequeno em Vancouver, e os loucos no México, esse tipo de local da arena, então nós temos algo especial por vir, e o único problema que temos é escolher de todas essas coisas, mas há algo especial por vir para os fãs. YELL: Sim, é ótimo para os fãs poder dizer, “eu estava lá!,” ou “essa é minha cidade!” FLOOR: Ou nós também poderíamos imaginar, se estivemos em um show aqui, podemos ter uma noção de como é um show na Europa ou no México, porque cada país, cada continente vem com diferentes públicos, possibilidades diferentes, nós podemos fazer uma produção maior aqui como podemos na Europa, então essas atmosferas diferentes também podem ser legais de se ver. YELL: Você disse que o Tuomas…? FLOOR: Tuomas, é. YELL: Eu sei que ele é o compositor e escritor principal. É difícil para você se conectar às letras de outra pessoa? FLOOR: Bom, foi a primeira vez que eu faria isso, quero dizer, desde o comecinho do After Forever, já que o guitarrista da época também escrevia letras, eu me lembro que na época eu achava desafiador acertar o ritmo e a “vocalidade,” porque eu ainda escrevia as melodias, mas com as letras já existentes, e tinha que fazer tudo se encaixar. Sempre foi meio que um desafio, e o Tuomas escreve as letras de tudo. Tudo o que eu tinha era um piano tocando a melodia e as letras. Então vira um quebra-cabeças, conversamos sobre e eu estava meio… não é algo a que eu esteja acostumada. Mas as coisas se movem suavemente, com facilidade, porque ele escreve realmente bem. E nós tiramos tempo para realmente treinar com a banda toda, então você pode sentir se algo funciona ou não. E assim, com tudo envolvido, até mesmo os backing vocals ocorreram muito rapidamente, foram pensados junto com o Marco e por isso ele cantou muito mais backings do que ele costumava antes, então alguns comentários foram feitos previamente de que parece que ele canta as últimas partes neste álbum, mas os fundos, as harmonias para mim são muito mais naturais por causa deste processo. Foi meio desafiador, mas se tornou algo muito fácil. Uma música bem escrita toca a si mesma. YELL: A última pergunta pode ser meio pesada, mas… o que te mantém acordada à noite? FLOOR: Oh, queijo e vinho tinto. YELL: Bem, não foi nada pesado! FLOOR: (Risos) Bem, isso me manteria fora da cama, de qualquer forma. Mas bem, num nível mais sério, algumas das coisas que estão acontecendo agora, dos refugiados na Europa, pessoas fugindo da Síria e do Afeganistão, todos aqueles países em que as coisas estão indo tão terrivelmente mal e com todo o mundo caindo em cima sem nenhuma solução adequada, coisas dando errado em países para os quais os refugiados realmente vêm e as coisas que eles fazem aos nativos que não facilitam nada. E há tanta tensão por todos os lados que… é, isso me manteria acordada. YELL: É, suponho que como uma banda em turnê vocês têm uma perspectiva muito boa. FLOOR: Bem, sim e não. Nós estávamos em turnê quando o ataque em Paris aconteceu, o tiroteio na casa de show em que as pessoas foram mortas durante um show. O… AMBOS: Eagles of Death Metal. FLOOR: É, um monte de gente, majoritariamente bandas americanas, cancelaram suas turnês e estavam com medo de vir a casas de show. É claro, ameaças por toda a Europa se espalharam como um incêndio, as pessoas ficaram com medo, o que era exatamente o que estavam esperando, e era exatamente o que não queríamos. Mas é claro que quando você sobe no palco no dia seguinte a algo do tipo é muito real, está muito na sua cara, seguranças por todo lado, cães farejadores passando pelas casas de show todos os dias, duas vezes por dia, é muito intimidador e isso deixou uma impressão em todos nós, mas também é necessário dizer que não seremos intimidados por um pequeno grupo de pessoas, porque ainda é um pequeno grupo de extremistas que aparentemente é tão mal organizado que aparentemente não conseguem fazer nada maior do que isso… eu estou feliz por isso! Então não podemos ficar loucos demais por causa disso, mas ainda assim, é sua vida cotidiana e de repente… é, espero que essas coisas fiquem mais fáceis de novo e que as pessoas encontrem um pouco mais de paz de espírito para ter mais mente aberta e não acreditar em tudo o que a mídia e os políticos estão nos dizendo, porque estão ficando mais e mais com medo por coisas tiradas de perspectiva. Então é um momento estranho na vida, mas espero para todos que as coisas melhorem. Fonte: Yell! Magazine
  14. Fonte: Metal Hammer | Tradução: Head up High Depois de três vocalistas, o Nightwish está na sua melhor forma. O que não matou o Nightwish apenas o tornou mais forte. Há muitas coisas que são verdades no meio do metal, mas que não devem ser ditas. Não se deve dizer que, na hora do "vamos ver", o Megadeth e o Mayhem são piores do que o time West Ham United jogando em casa (numa semana eles mandam ver e na outra perdem pra um time qualquer), por exemplo. Não é nem um pouco educado dizer que, apesar de influentes, o disco "Scum" está longe de ser o melhor do Napal Death. Além disso, ninguém quer ser o primeiro a admitir que o gênero do death metal está num limbo criativo desde o lançamento do disco "Organic Hallucinosis", do Decapitated. Mas se tem algo que vai render um bocado de fãs furiosos te dizendo pra ir tomar num canto meio incomum, esse algo é dizer que o Nightwish com os vocais de Floor Jansen não é apenas melhor do que na época da Anette, mas melhor até mesmo do que a época da própria Tarja. A verdade é que a banda nunca foi tão boa como é agora. Discutir a questão "Anette vs Floor" não é difícil e, apesar de ser um tanto duro com a antiga vocalista, é possível encontrar algumas opiniões contrárias por aí, mas em número menor. Não é possível negar que a Anette foi uma ótima vocalista de metal com um tom mais "pop", mas Floor consegue ir além e com mais intensidade, ênfase nos tons e muito mais personalidade nas canções para começo de conversa. Mas é claro que não é só isso: ela sabe muito bem lidar com as canções antigas, também. Músicas como Stargazers voltaram ao setlist da banda recentemente (uma das melhores surpresas do Hellfest deste ano) com direito à toda a interpretação dramática e pormenores da música – algo que Anette não conseguia fazer tão bem. Fora tudo o que foi mencionado, Floor sempre foi uma cantora de metal com uma carreira sólida e vocais guturais agressivos. Ainda assim, apesar da contribuição de Anette em Imaginaerum ter sido sensacional, foram necessários apenas 15 minutos de show e três do novo disco do Nightwish, Endless Forms Most Beautiful, para perceber que a sueca não faz tanta falta. Já a questão envolvendo Tarja é bem mais difícil até porque ela foi a vocalista que com a qual a banda se firmou e colocou seu nome na história e a vocalista com quem compuseram seus álbuns mais famosos, ajudando a definit (para bem ou mal) todo um nobo subgênero no heavy metal europeu. Os fatos são inegáveis. Os primeiros cinco álbuns (até mesmo Angells Fall First, que serviu mais de base para o som da banda) ainda são alguns dos melhores mesmo após quase 20 anos. O disco Wishmaster tem tantos clássicos que não seria relançá-lo como um "Best of". Quanto ao disco Oceanborn e sua atmosfera sombria, não houve nenhuma banda com uma vocalista vestindo espartilho que conseguisse alcançar o mesmo nível. Por último, o disco Century Child provou que a banda era capaz de produzir muito mais do que simples hits. No entanto, foi o disco Once que mostrou algumas rachaduras na base de tudo e isso não diz respeito às composições de Tuomas, que eram incríveis, ou à voz de Marco cada vez mais presente (a presença deste ilustre membro da Tarot, inclusive, foi uma grande revelação para o Nightwish e chega a ser até estranha a ideia de ele não cantar desde o início). Não é uma questão da clareza e da capacidade de canto do Marco, mas de sua capacidade de adaptar uma música tão facilmente a um contexto (basta comparar suas participações em I Wish I Had An Angel, The Crow, The Owl and the Dove e em Weak Fantasy, por exemplo). O problema é que, olhando para trás, percebe-se que o Nightwish se desviava cada vez mais do subgênero "opera metal" (é possível dizer que até o abandonaram a partir desde ponto da carreira). As doces melodias vocais presentes nos primeiros trabalhos da banda passou a abrir espaço para um tipo de metal mais tradicional e com menos espaço para a letra, fazendo com que a variedade de tons se tornasse parte adicional e não vital das canções. Tarja, por sua vez, encaixava-se bem nesse gênero, mas é talvez a sua performance mais fraca. Na canção Wanderlust, ela soava como uma superstar, ao passo que parecia dificuldade para manter o tom em Nemo. Tanto Tarja como Anette são especialistas: dê-lhes um estilo em que elas se encaixam e elas vão acabar com todo mundo se for uma questão de competição. Mas, como Sam Burgess, coloque-as num formato que elas conhecem menos e elas mostrarão ter dificuldades bem rápido. Floor, no entanto, não sofre com nenhum desdes problemas. Ela é perfeitamente capaz de fazer um gancho que soe mais pop, o vozerio poderoso do metal e o rico estilo operático na mesma música e de maneira brilhante, como mostrou no mais recente álbum da banda. Não é como se ela dominasse tudo e fosse a melhor vocalista, como parece. Na verdade, é algo simples: a Floor se destaca em todos os estilos musicais que precisa atuar. A melhor parte é que ainda há mais: Floor não é o único "plus" com o qual o Nightwish agora conta. Eles também contam com Kai Hahto na bateria e ele é um músico fantástico. A prova disso é que ele ensinou o antigo baterista, Jukka Nevalainen a tocar bateria no estilo jazz para a música Slow, Love, Slow durante as gravações do disco Imaginaerum. Ah, sim, e ele é o produtos da banda Wintersun, que costumam ser mestres no que fazem (ainda que lancem albuns na mesma frequência com que o Axl Rose consegue começar um show na hora certa). O Nightwish agora também conta com um músico folk Troy Donockley (que é um tremendo de um cantor, também), da Inglaterra, o que os permite acrescentar algumas músicas ao seu setlist e deixar de lado o playback das uileann pipes, as gaitas de fole típicas da Irlanda. Acrescente a essa mistura o talento vocal de Marco e temos uma variedade artística muito maior do que a banda jamais teve. Além disso, eles se tornaram uma banda grande o suficiente pra assumir comando total de suas finanças e, assim, produzir o que quiserem como desejarem. Isso faz com que o Nightwish consiga ser mais flexível do que nunca. Se Tuomas quiser compor um álbum de 40 minutos com dez faixas repleto de hits sem se aventurar muito e com refrões simples, ele pode fazê-lo sem problema. Se ele quiser compor um álbum ridiculamente bombástico, com músicas de 24 minutos, gaitas de fole, piano, arranjos de orquesta, canto operático, vocais pop, belíssimos ganchos vocais, sons de macacos e de baleias, além da participação do próprio Richard Dawkins... bom, ele também pode fazer isso sem problema. É claro que não é possível dizer que Endless Forms Most Beautiful é, sem sombra de dúvidas, o melhor disco da banda simplesmente porque não é. É muito bom, mas eles já produziram álbuns melhores e com duas antigas vocalistas. As partes negativas podem ser vistas em uma ou duas coisas do disco (o refrão da faixa que dá nome ao disco é bem forçada) ou até mesmo nos deslizes quanto à qualidade das canções (a música Edema Ruh, por exemplo, que é um pouco piegas, sem falar que é inspirada em um livro que pode ser descrito de forma singela como um monte de excrementos saídos direto do reto arreganhado da bunda da literatura fantástica e que é tão infancil que fariam Harry Potter parecer Game of Thrones). Nada disso, no entanto, é um indício de como será o futuro do Nightwish. Os períodos de transição são, no mínimo, difíceis e, ainda que a canção The Poet and The Pendulum seja uma das melhores da banda, o disco Dark Passion Play, o primeiro do Nightwish com Anette nos vocais, é um de seus mais fracos lançamentos. Não é ruim, mas não é tão bom como alguns dos clássicos da banda. Já Endless Forms Most Beautiful é só um pouco pior do que a média, o que, ainda assim, se resume a alguns poucos deslizes. Quando se pensa no futuro, no entanto, isto pode ser algo bastante encorajador, pois o próximo disco pode ser ainda melhor. Ninguém está impedindo o Nightwish de fazer o que realmente quer e, aparentemente, tem o bom senso de não tomar más decisões musicais (veja aqui Tuomas falando sobre o seu projeto musical de musicalidade duvidosa sobre Scrooge McDuck lançado com seu próprio nome - FAO Metallica). Eles tem a melhor e mais versátil vocalista possível, são capazes de tocar ao vivo qualquer música que já compuseram e conseguiram passar por todas as mudanças na formação sem perder seus mais fiéis fãs. Pelo jeito, aquele ditado "o que não mata nos fortalece" tem um quê de verdade.
  15. Head up High

    Entrevista: Floor e Marco

    Era essa a intenção. Nos sambaram, hahaha' Quem sabe na próxima #oremos. E muito obrigada! *-*'